Rádio Observador

Exposições

Quarenta obras de arte levam o “vírus da contemporaneidade” ao Palácio de São Bento

Uma exposição de arte portuguesa com 40 obras, algumas delas sobre temas sociais e políticos, vai estar acessível ao público a partir de quinta-feira, no Palácio de São Bento, em Lisboa.

LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Uma exposição de arte portuguesa com 40 obras, algumas delas sobre temas sociais e políticos, vai estar acessível ao público a partir de quinta-feira, para “introduzir o vírus da contemporaneidade” no Palácio de São Bento, em Lisboa.

Trata-se da terceira edição da “Arte em São Bento”, uma iniciativa do primeiro-ministro, António Costa, que desde 2017 abre a sua residência oficial aos domingos, para que o público tenha acesso a coleções de arte contemporânea.

Depois da Coleção de Serralves e da Coleção António Cachola/Museu de Arte Contemporânea de Elvas, este ano será a coleção privada de Norlinda e José Lima, uma das maiores do país, com sede no Centro de Arte Oliva, em São João da Madeira, “muito pouco conhecida do público”, disse a curadora da mostra, Isabel Carlos, durante uma visita guiada aos jornalistas.

Questionada sobre os critérios que pautaram o desenho desta mostra, Isabel Carlos disse que “o principal, do ponto de vista conceptual, foi querer introduzir o vírus da contemporaneidade num palácio oitocentista”.

As obras – de artistas portugueses vivos, outro dos critérios da curadora – estarão patentes nas várias salas do palacete, que possui vários pisos, e apenas o último não terá acesso público, por se tratar de uma zona reservada.

A partir de quinta-feira, com inauguração às 18:00, e ao longo de todos os domingos – entre as 10:00 e as 17:00 – até ao final do ano, haverá acesso gratuito às salas do palacete onde ficam expostas obras de artistas como Lourdes Castro, Paula Rego, João Louro, Daniel Malhão, Ângela Ferreira e Gabriela Albergaria.

“Achei importante juntar arte contemporânea num edifício oitocentista, equacionando a decoração, a representação de uma coleção privada, e o habitat governamental”, disse Isabel Carlos.

Outros critérios da exposição, segundo a curadora, foram a paridade da representação de género, serem artistas portugueses, e não terem estado presentes na seleção anterior, exposta na residência oficial de António Costa.

“O tema da paisagem e do retrato estão muito presentes nesta coleção, mas também há várias obras que revelam uma consciência social, ambiental e política”, sublinhou.

Sobre a visão da natureza, “o que se vê não tem nada de bucólico, romântico ou naturalista, porque há uma imagem do século XX e XXI, que mostra a natureza ameaçada e ficcionada pelo Homem”, descreveu Isabel Carlos.

“É uma coleção muito interessante, que pouco se tem visto, é uma grande surpresa de ter o privilégio de a poderem ver na capital, e na residência oficial do primeiro-ministro, onde se decidem os destinos do país”, comentou.

Quanto ao arco cronológico, a obra mais antiga é de 1965, de Lourdes Castro, e a mais recente de Ana Jotta, de 2018, surgindo ainda entre elas peças de João Penalva, Mafalda Santos, Julia Ventura, Pedro Tudela, Manuel Baptista, André Cepeda, Paulo Quintas, Eduardo Batarda e Albuquerque Mendes, entre outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)