O Presidente da República pediu autorização à Assembleia da República para se deslocar ao Vaticano para poder assistir à tomada de posse do arcebispo José Tolentino Mendonça como cardeal e a notícia rapidamente correu nas redes sociais, levantando várias críticas. Isto porque a deslocação está prevista para os dias 4, 5 e 6 de outubro. Ou seja, Marcelo Rebelo de Sousa estaria ausente no feriado da Implantação da República, dia 5 de outubro, e no dia das eleições legislativas, a 6.

Mas fonte da presidência explica ao Observador que o pedido oficial é feito por excesso, para que não se incorra numa situação irregular caso haja problemas com os transportes. Na realidade, a viagem tem partida marcada para a manhã de 5 de outubro, com regresso ao final do mesmo dia.

Significa que o Presidente da República não deverá faltar às celebrações da Implantação da República e estará presente em Portugal para votar.

No pedido dirigido ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, pode ler-se: “Dada a possibilidade da minha eventual deslocação a Roma entre os dias 4 e 6 de outubro próximo, para estar presente na cerimónia do cardianalato de José Tolentino de Mendonça, venho requerer (…) o necessário assentimento da Assembleia da República”.

O Presidente da República já tinha manifestado o seu “profundo júbilo” pela elevação de Tolentino de Mendonça a cardeal e já tinha dito que estaria presente na cerimónia no Vaticano. Marcelo Rebelo de Sousa escolheu Tolentino de Mendonça para presidir às comemorações de 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, no próximo ano.