Rádio Observador

PAN

André Silva: “O partido com quem mais conseguimos falar nestes quatro anos foi o PS”

276

O PAN quer encerrar as centrais termoelétricas portuguesas até 2023, investir no SNS e não poupa críticas ao "leilão eleitoral de medidas". Sublinha que está aberto ao diálogo, mas não será governo.

Manuel Almeida/LUSA

O líder do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), André Silva, aproveitou a entrevista desta noite na TVI para “esclarecer alguns mal-entendidos” — que diz surgirem em maior número depois de 26 de maio (data em que o partido conseguiu eleger Francisco Guerreiro como eurodeputado) — criados em torno das propostas do partido para a próxima legislatura. Deixou críticas ao Bloco de Esquerda e não escondeu ambição no que diz respeito às metas ambientais para o país.

O também cabeça de lista pelo círculo de Lisboa afirmou que durante a última legislatura o único partido que se mostrou disponível para ouvir as propostas do PAN foi o PS e nunca o “PCP ou o BE”, ainda que continue disponível para dialogar com todos os partidos. “O nosso interlocutor, nestes quatro anos, com quem conseguimos mais falar, não foi com o PCP nem com o BE, foi com o PS, isto é factual“, afirmou acrescentando que o diálogo com o PSD e o CDS “se tem revelado mais difícil”.

O deputado único do partido já tinha esclarecido que não estaria disposto a formar governo na próxima legislatura, considerando que o PAN ainda é muito recente e “comete falhas” que eventualmente deixarão de acontecer com a experiência e, esta noite, repetiu o argumentário quando foi confrontado com a hipótese de se unir ao Partido Socialista, na ressaca da noite eleitoral de 6 de outubro.

André Silva não poupou críticas ao Bloco de Esquerda que, diz, à semelhança dos restantes partidos vive uma “enorme confusão na ideologia” e não apresenta propostas ambientais de “longo prazo”.

O Bloco de Esquerda ora se diz revolucionário socialista, ora apresenta um programa social-democrata e diz que está disponível para governar com um PS, que acusa de estar mais à direita”.

O líder do PAN recordou a génese do partido e desafiou os eleitores a irem reler o programa eleitoral das eleições legislativas de 2015 onde, defende, a componente ambiental “era a maioria” e não “um leilão eleitoral de medidas avulsas a curto prazo” como as que são defendidas pelos partidos candidatos às legislativas deste ano.

“O princípio do poluidor-pagador tem de ser instituído no nosso país”

Ainda que não tenha concretizado nenhuma medida da área fiscal, preferindo centrar-se mais nas questões ambientais e dos animais — que afirma são “definidoras” do partido —, André Silva defendeu que o “programa e as medidas tendem para uma neutralidade fiscal” que são “norteadas por uma responsabilidade grande associada às contas públicas”.

Defendendo a instituição do “princípio poluidor-pagador” a aplicar às empresas poluentes instaladas em Portugal, o PAN mostra-se mais ambicioso que o PS no objetivo de desativar as duas centrais termoelétricas portuguesas nos próximos quatro anos. De acordo com o partido, os concursos públicos entretanto lançados pelo governo permitirão antecipar o encerramento das duas centrais, ajudando a trilhar o caminho com o objetivo final da neutralidade carbónica até 2030.

André Silva aproveitou ainda para recordar algumas das conquistas feitas durante a legislatura, nomeadamente aquela que obriga “as centrais termoelétricas a pagar ISP [Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos]”, mas quer ir mais longe e “agravar os impostos às empresas mais poluentes”.

SNS para cães e gatos “não faz qualquer sentido”

Explicando o desejo de “ver estendido a todos os animais o respeito e compaixão que temos ao nosso semelhante”, André Silva apontou críticas ao “subfinanciamento” que tem sido feito no Serviço Nacional de Saúde e que tem “agravado os custos para as famílias”, reforçando a necessidade de apostar na prevenção e promoção da saúde como a única forma de “manter a sustentabilidade do SNS”.

Mas e a criação de um SNS para cães e gatos, noticiada no final de agosto como uma das prioridades do PAN? André Silva voltou atrás na explicação que tinha dado à Visão, quando afirmou que a medida era uma “uma espécie de SNS para animais”. Diz agora que foi um “mal entendido” e que nada tem que ver com um SNS para cães e gatos porque “isso não faz qualquer sentido”, explicou que a criação de uma rede de serviço publico médico-veterinário terá impacto na vida de famílias carenciadas e instituições legalmente constituídas que “se têm vindo a substituir ao Estado”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpenela@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)