As autoridades das Bahamas estão a prestar socorro e ajuda às vítimas do furacão Dorian através de vários meios e contam com o auxílio da Guarda Costeira dos Estados Unidos e da Marinha Real britânica. Vários grupos de ajuda humanitária estão a tentar levar comida e remédios aos sobreviventes e a transportar as pessoas mais afetadas para locais seguros.

Os aeroportos estão inundados e as estradas intransitáveis após as Bahamas terem sido atingidas pelo mais forte furacão registado na história do arquipélago, que fustigou principalmente as ilhas Abacos e a ilha Grande Bahama, com ventos de até 295 quilómetros por hora e chuva torrencial, antes de seguir na terça-feira a sua rota em direção à Florida.

Pelo menos sete pessoas morreram nas Bahamas após a passagem do furacão, mas a extensão total do desastre ainda é desconhecida.

Os ventos severos da tempestade e as águas castanhas e lamacentas destruíram ou danificaram gravemente milhares de casas, incapacitando a atividade de hospitais e deixando muitas pessoas presas em sótãos.

“É uma devastação total. Está dizimado. Apocalíptico”, disse Lia Head-Rigby, que ajuda a administrar um grupo local de socorro a furacões e que sobrevoou as ilhas Abacos, mais atingidas pelo furacão. “Não podemos remodelar o que estava lá; temos que reconstruir de raiz”, referiu a responsável.

Lia Head-Rigby adiantou que o seu representante em Abacos lhe disse que havia “muito mais mortos”, mas não avançou números, uma vez que os corpos ainda estão a ser recolhidos.

O primeiro-ministro das Bahamas também esperava mais mortes e previu que a reconstrução exigiria “um esforço maciço e coordenado”. “Estamos no meio de uma das maiores crises nacionais da história do país”, disse o primeiro-ministro Hubert Minnis numa conferência de imprensa. Nenhum esforço ou recursos serão retidos”, sublinhou.

Cinco helicópteros da Guarda Costeira fizeram voos de hora a hora para as ilhas Abacos, transportando mais de 20 pessoas feridas para o hospital principal da capital. Marinheiros britânicos também estavam a participar do socorro às vítimas. Alguns grupos de ajuda privada também tentaram chegar às ilhas atingidas no norte das Bahamas.

As equipas de resgate começaram a retirar as pessoas no rescaldo da tempestade na ilha de Grande Bahama no final da terça-feira, usando motas de água, barcos e até mesmo uma enorme escavadora.

Nas Bahamas, o porta-voz da Cruz Vermelha Matthew Cochrane disse que mais de 13.000 casas, ou cerca de 45% das casas de Grande Bahama e Abacos, foram severamente danificadas ou destruídas. Autoridades da ONU disseram que 61.000 pessoas nas ilhas atingidas precisarão de comida, e a Cruz Vermelha disse que 62.000 precisarão de água potável.

Lawson Bates, funcionário da MedicCorps, com sede no Arkansas, sobrevoou Abacos e disse: “Parece completamente achatado. Há barcos no interior que estão virados. É uma devastação total”. A Cruz Vermelha autorizou 500.000 dólares para a primeira vaga de socorro, disse Cochrane.

As equipas humanitárias da ONU estavam prontas para entrar nas áreas atingidas para ajudar a avaliar os danos e as necessidades do país, disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric. O Governo dos Estados Unidos também enviou uma equipa de resposta a desastres.

O furacão Dorian enfraqueceu para categoria 2 e agora segue a sua rota em direção aos Estados Unidos. Nos Estados Unidos, vários milhões de pessoas na Florida, Geórgia e Carolina do Sul foram aconselhadas a sair dos locais próximos da costa, por onde o Dorian deve também passar.