Rádio Observador

Brexit

“Draw me like one of your french girls”. Os memes de Rees-Mogg deitado no Parlamento a semanas do Brexit

Quando Jacob Rees-Mogg se endireitou nos sofás do Parlamento britânico, já era tarde demais. A Internet tinha feito dele um meme em tempos tensos de Brexit. Até o Titanic foi chamado à festa.

Um dos memes mais partilhados faz referência ao clássico do cinema "Titanic"

Twitter

“Arrogante”, “insolente” e “insuportável” para uns, uma piada para outros. Depois de Jacob Rees-Mogg ter sido repreendido pelos colegas por estar relaxadamente deitado nos sofás verdes do Parlamento britânico enquanto se discutia o Brexit e o futuro do governo — “Sit up, man!” ou, em português, “Senta-te, homem!”, o deputado conservador ganhou um novo papel nos debates — tornou-se um meme. Após o debate tardio de três horas em Londres, a imagem reclinada e sorridente de Rees-Mogg passou a inspirar piadas por toda a internet.

As mais espirituosas, pelo menos a contar pelo números de “gostos” e de partilhas que têm recolhido, são as que colocam Jacob Rees-Mog no meio de pinturas renascentistas, em gráficos decadentes da realidade britânica, na prática do salto em altura, a relaxar em cenários dos Simpsons ou a ser desenhado como um “idiota” pela personagem de Leonardo DiCaprio em “Titanic” — “Draw me like one of your French girls”, dizia Rose.

No meio da tensão que se abateu no Reino Unido depois de Boris Johnson ter suspendido o Parlamento com o aval da Rainha Isabel II, tudo em vésperas da prevista saída do país da União Europeia, os britânicos conseguiram encontrar um motivo para rir à gargalhada e desanuviar da crise política. Os motivos estão aqui em baixo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)