Rádio Observador

Furacão

Furacão Dorian: Sobe para sete o número de mortos nas Bahamas

"Apocalíptico". "Devastação total". "Uma das maiores crises da história das Bahamas". Assim descreve quem sobrevoou o arquipélago fustigado pelo furacão. Número de mortos subiu para 7, mas há mais.

EPA

O furacão Dorian baixou de intensidade, para o nível 2, mas continua a fustigar as Bahamas onde o número de mortos subiu para sete, informou o primeiro-ministro, Hubert Minnis que admitiu a possibilidade de haver mais vítimas mortais.

A extensão total do desastre ainda é desconhecida. O primeiro-ministro destacou que Ábaco está completamente inundado, incluindo o aeroporto. “Estamos no meio de uma das maiores crises que as Bahamas sofreram na sua história”, disse Minnis. “Casas, prédios e infraestrutura estão completamente destruídos”, lamentou.

Os ventos severos da tempestade e as águas castanhas e lamacentas destruíram ou danificaram gravemente milhares de casas, incapacitando a atividade de hospitais e deixando muitas pessoas presas em sótãos.

“O aeroporto está submerso e a parte circundante agora parece um lago”, disse Minnis, que acrescentou que as estradas também estão completamente inundadas e intransitáveis depois de o arquipélago ter sido atingido pelo mais forte furacão registado na sua história, que fustigou principalmente as ilhas Abacos e a ilha Grande Bahama, com ventos de até 295 quilómetros por hora e chuva torrencial, antes de seguir na terça-feira a sua rota em direção à Florida.

“É uma devastação total. Está dizimado. Apocalíptico”, disse Lia Head-Rigby, que ajuda a administrar um grupo local de socorro a furacões e que sobrevoou as ilhas Abacos. “Não podemos remodelar o que estava lá; temos que reconstruir de raiz”, referiu a responsável. E seguiu na mesma linha da do primeiro-ministro citando um representante em Abacos que lhe disse que havia “muito mais mortos”, mas não avançou números, uma vez que os corpos ainda estão a ser recolhidos.

Na ilha Grande Bahama o cenário é semelhante. Graças às imagens de satélite captadas pela empresa finlandesa Iceye já é possível ver o impacto da passagem do furacão Dorian pela ilha: uma parte considerável está alagada, incluindo a zona do aeroporto internacional.

A imagem, partilhada pela BBC e pelo jornalista Jonathan Amos, mostra a zona da ilha que ainda está acima do nível da água – a preto – e toda a zona que ficou inundada depois da passagem do Dorian – a azul. A linha amarela ajuda a traçar o antes e o depois da passagem do furacão.

Cinco helicópteros da Guarda Costeira fizeram voos de hora a hora para as ilhas Abacos, transportando mais de 20 pessoas feridas para o hospital principal da capital. Marinheiros britânicos também estavam a participar do socorro às vítimas. Alguns grupos de ajuda privada também tentaram chegar às ilhas atingidas no norte das Bahamas.

As equipas de resgate começaram a retirar as pessoas no rescaldo da tempestade na ilha de Grande Bahama no final da terça-feira, usando motas de água, barcos e até mesmo uma enorme escavadora.

Nas Bahamas, o porta-voz da Cruz Vermelha Matthew Cochrane disse que mais de 13.000 casas, ou cerca de 45% das casas de Grande Bahama e Abacos, foram severamente danificadas ou destruídas. Autoridades da ONU disseram que 61.000 pessoas nas ilhas atingidas precisarão de comida, e a Cruz Vermelha disse que 62.000 precisarão de água potável.

Lawson Bates, funcionário da MedicCorps, com sede no Arkansas, sobrevoou Abacos e disse: “Parece completamente achatado. Há barcos no interior que estão virados. É uma devastação total”. A Cruz Vermelha autorizou 500.000 dólares para a primeira vaga de socorro, disse Cochrane.

As equipas humanitárias da ONU estavam prontas para entrar nas áreas atingidas para ajudar a avaliar os danos e as necessidades do país, disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric. O governo dos Estados Unidos também enviou uma equipa de resposta a desastres.

Nos Estados Unidos, vários milhões de pessoas na Florida, Geórgia e Carolina do Sul foram aconselhados a sair dos locais próximos da costa, por onde o Dorian deve também passar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

A lei do EROI

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
897

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)