A ONU registou mais de 1.000 mortes de civis na Síria nos últimos quatro meses, anunciou esta quarta-feira a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet.

A maioria das mortes ocorreu devido a ataques aéreos e ataques terrestres realizados pelas forças do Presidente sírio, Bashar al-Assad, e pelos seus aliados.

Michelle Bachelet declarou que 1.089 civis foram mortos no país entre 29 de abril e 29 de agosto, incluindo 304 crianças.

A alta comissária afirmou que quase todas as mortes (1.031) foram atribuídas às forças do governo sírio e dos seus aliados nas províncias de Idlib e Hama.

Outras 58 mortes foram causadas por “atores não estatais”.

Michelle Bachelet fez estas declarações aos jornalistas, em Genebra, e fez também uma retrospetiva do seu primeiro ano no cargo.

A província de Idlib, perto da fronteira da Síria com a Turquia, é o último reduto dos rebeldes na Síria.