O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, agraciou esta quarta-feira a Fundação Champalimaud como Membro Honorário da Ordem do Mérito, assinalando que a instituição “é motivo de orgulho para Portugal e para os portugueses”.

Que melhor ocasião esta para, depois de galardoado António Champalimaud, depois de uma vez mais galardoada a presidente, Leonor Beleza, celebrar a própria Fundação Champalimaud”, afirmou o chefe de Estado, que discursava na cerimónia de entrega do Prémio António Champalimaud de Visão, em Lisboa.

Na ótica do Presidente da República, “não há muitas fundações” em Portugal que “mereçam tão depressa essa celebração”, notando que a Fundação Champalimaud “tem mais de 10 anos de vida” e “entra numa segunda fase, num segundo ciclo de existência marcado pela expansão física, mas também por crescente projeção universal”. “Hoje é tempo de agradecer à Fundação Champalimaud, por uma primeira vez, o mérito da sua intervenção social cá dentro e lá fora, pela entrega das insígnias de Membro Honorário da Ordem do Mérito”, disse Marcelo Rebelo de Sousa momentos antes de entregar essa distinção a Leonor Beleza.

Três instituições brasileiras que dão óculos a quem vê mal ou fazem cirurgias complexas a doentes com poucas posses foram distinguidas este ano com o Prémio Champalimaud de Visão, no valor de um milhão de euros, foi esta quarta-feira anunciado.

O prémio, apresentado como o maior do mundo no campo da visão, foi distribuído pela Fundação Champalimaud, que o promove, ao Instituto da Visão – IPEPO, à Fundação Altino Ventura e ao Serviço de Oftalmologia do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas.

Em 2019, por ser ano ímpar, o prémio reconhece o trabalho feito no terreno por instituições na prevenção e no combate à cegueira e a doenças oftalmológicas em países em vias de desenvolvimento. Em anos pares, o galardão distingue a investigação científica na área da visão.

Na cerimónia que deu a conhecer os vencedores da 13.ª edição, o Presidente da República assinalou também o facto de esta ser a primeira vez que o Prémio Champalimaud de Visão é atribuído a instituições brasileiras e, igualmente, a instituições da América Latina.

“O Brasil ultrapassa a América latina e, para nós portugueses, todos nós, tenhamos ou não um pouco da nossa alma familiar ligada ao Brasil, representa do melhor que no mundo projeta a língua portuguesa, o génio, o talento daquela realidade que nos une como plataforma a tantos continentes, a tantos oceanos, a tantas culturas, a tantas civilizações”, sublinhou.

O chefe de Estado apontou que Portugal é um país que “se honra de pertencer a um mundo que fala português, um Portugal que se honra de ser europeu e um Portugal que se honra dos laços transatlânticos”. Ao mesmo tempo, continuou Marcelo Rebelo de Sousa, “este prémio é o exemplo do sucesso da projeção universal da Fundação Champalimaud”.