Rádio Observador

Livros

Amazon quebra embargo e envia novo livro de Margaret Atwood antes do tempo

A sequela de "The Handmaid's Tale" só chega às livrarias a 10 de setembro, mas alguns leitores norte-americanos já a receberam. O envio de exemplares terá acontecido devido a um erro.

Margaret Atwood publicou "The Handmaid's Tale" em 1985. A escritora canadiana tem 79 anos

Getty Images

A Vintage, a chancela da Penguin responsável pela publicação do novo livro de Margaret Atwood, impôs um embargo sobre The Testaments até 10 de setembro, data em que chega às livrarias. Contudo, alguns leitores norte-americanos que o pré-encomendaram pela Amazon já receberam uma cópia. De acordo com o The Guardian, terão sido enviados 800 exemplares da sequela de The Handmaid’s Tale.

Em comunicado, a Penguin Random House explicou que tudo se deveu a “um erro do vendedor que já foi retificado” e acrescentou: “Agradecemos que os nossos leitores tenham esperado pacientemente, nalguns casos mais de 30 anos, por esta muito antecipada sequela. De modo a garantir que os nossos leitores recebem as suas cópias no mesmo dia, a nossa data de publicação global mantêm-se terça-feira, 10 de setembro”.

Mas o mal já está feito. A uma semana da data de lançamento, será difícil conter a divulgação de spoilers. Vários vendedores terão entretanto contactado a Penguin pedindo sanções para a Amazon norte-americana por quebra do embargo. Quando uma livraria ignora a data de lançamento estipulada, as editoras geralmente adiam futuras entregas.

The Testaments surge 34 anos depois de The Handmaid’s Tale (História de uma Serva). A história, narrada por três personagens femininas passa-se 15 anos depois do final da distopia de Margaret Atwood. O romance está nomeado para o Man Booker Prize, o mais importante galardão de literatura em língua inglesa, e é um dos favoritos a concurso. O embargo da Vintage tem impedido o júri do galardão de divulgar informações sobre o romance, que ainda não tem data de lançamento em Portugal.

O The Guardian publicou, nesta quarta-feira, um excerto do novo livro da autora canadiana. Pode ser lido aqui.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)