Rádio Observador

Facebook

Aplicação do Facebook para encontrar o amor já disponível nos EUA. Chega à Europa em 2020

Facebook Dating permite encontrar um "match" com base nos interesses, mas diz garantir a segurança e privacidade dos utilizadores. Nova funcionalidade chega à Europa no início do próximo ano.

NurPhoto via Getty Images

O Facebook lançou esta quinta-feira nos Estados Unidos a funcionalidade com que quer competir com apps como o Tinder, Bumble ou Match — o Facebook Dating. Depois de ter começado a testar esta ferramenta em 19 países, em abril, a empresa de Mark Zuckerberg fez acompanhar a entrada no mercado americano de outra novidade: o Facebook Dating vai permitir aos utilizadores integrarem publicações e histórias do Instagram no perfil da nova funcionalidade, bem como acrescentar os amigos a uma “lista secreta de paixonetas.

“O Facebook Dating torna fácil encontrar o amor através dos gostos pessoais [dos utilizadres], ajudando a começar relacionamentos com significado através dos aspetos que estes tiverem em comum, gostos partilhados, eventos e grupos”, explica o Facebook em comunicado, sublinhando que “a segurança, proteção e privacidade são os pilares deste produto”.

A entrada do Facebook Dating nos Estados Unidos foi noticiada no mesmo dia em que o TechCrunch revelou que os números de telefone que estavam associados a 400 milhões de contas do Facebook tinham sido armazenados de forma irregular e que foram expostos online.

No caso do Facebook Dating, a empresa norte-americana garante que a nova funcionalidade é uma opção “segura, inclusiva e opcional”. E acrescenta que foram tomadas algumas medidas para garantir a segurança dos utilizadores: a possibilidade de bloquear e denunciar qualquer pessoa, o facto de não ser possível enviar por mensagem qualquer fotografia, link, pagamento ou vídeo e o acesso fácil a recomendações de segurança.

Ainda na questão da segurança, o Facebook garante também a possibilidade de os utilizadores partilharem com amigos próximos os detalhes do seu encontro e a sua localização em tempo real através do Messenger. Além disso, e para os utilizadores mais discretos, as pessoas que surgirem no Facebook Dating não vão incluir obrigatoriamente os amigos do Facebook e, “por uma camada extra de proteção”, é também possível optar por apenas mostrar pessoas que não têm qualquer amigo em comum com esse utilizador.

Mas, promete a rede social, será também possível criar uma lista de “paixonetas secretas” que vai integrar até nove pessoas. Caso haja reciprocidade entre os membros destas listas, ou seja, se uma das pessoas escolhidas também tiver adicionado esse utilizador à sua própria lista, há um match. Caso não exista interesse da outra parte, a lista continua secreta.

Será também possível criar uma lista de “paixonetas secretas”

Foi ainda anunciado que os utilizadores da nova funcionalidade vão poder integrar diretamente as suas publicações e histórias do Instagram no seu perfil no Facebook Dating, já no final deste ano. Até lá, apenas é possível tomar uma decisão através de um perfil com informações estáticas.

O Facebook Dating não é sobre fazer swipe right ou ter de esperar que alguém goste de si para ter a primeira oportunidade de contacto. Se estiverem interessados em alguém, podem comentar diretamente o perfil ou fazer ‘gosto’ para mostrar que sabem que está interessado”, acrescenta a nota publicada no site do Facebook.

O Facebook Dating está agora presente em 20 países e chega à Europa no início do próximo ano, sendo que a empresa garantiu ao Tech Crunch que a nova funcionalidade “está a correr bem”, sem revelar números de utilizadores. Para criarem um perfil, os interessados têm de ter mais de 18 anos e podem criar uma conta separada do seu perfil do Facebook.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)