Rádio Observador

Venezuela

Venezuela: Maduro anuncia sistema de mísseis para defender fronteira com a Colômbia

176

Sistema de mísseis é voltado para a defesa antiaérea nas fronteiras com a vizinha Colômbia, país que acusa a Venezuela de propiciar um "conflito armado" por supostamente abrigar grupo das FARC.

MIRAFLORES PRESS OFFICE HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou esta quinta-feira que vai introduzir um sistema de mísseis para defesa antiaérea nas regiões fronteiriças com a vizinha Colômbia, país que acusa de propiciar um “conflito armado”.

“Vamos implantar um sistema de mísseis, de defesa antiaérea, de defesa terrestre, blindada. Vamos implantá-lo de 10 a 28 de setembro, porque a Venezuela deve ser respeitada”, disse. Nicolás Maduro voltou a acusar o seu homólogo colombiano, Iván Duque, de ter um plano para agredir a Venezuela.

O Presidente Iván Duque tem um plano de provocação. Ele pretende (…) agredir o território venezuelano, para ir ao Conselho de Segurança da ONU e armar um ‘show’ político às custas de um conflito armado”, disse durante um ato transmitido pela televisão estatal venezuelana.

O anúncio de criação de um sistema de mísseis, tem lugar depois de Nicolás Maduro emitir uma alerta nos estados fronteiriços com a Colômbia, denunciando esforços das autoridades do vizinho país para vincular a Venezuela com ex-guerrilheiros colombianos que anunciaram recentemente o regresso às armas.

“Por isso vamos tomar um conjunto de medidas para garantir a paz e a soberania. Vamos reforçar um conjunto de medidas. Ordenei ao comandante estratégico operacional das Forças Armadas Bolivarianas e a todas as unidades militares da fronteira, declarar um alerta laranja perante as ameaças de agressão da Colômbia contra a Venezuela”, disse.

Ao emitir o alerta laranja, o Presidente da Venezuela anunciou também exercícios militares de 10 a 28 nos estados venezuelanos de Zúlia, Táchira, Apure e Amazonas, que juntos compõem os 2.219 quilómetros de fronteira comum entre a Venezuela e a Colômbia.

A oposição venezuelana anunciou, terça-feira, que vai colaborar com as autoridades da Colômbia para localizar eventuais grupos guerrilheiros e paramilitares que Bogotá diz estarem na Venezuela. “Vamos autorizar o uso da tecnologia de satélite para localizar estes grupos. Vamos aliar-nos com o mundo democrático para enfrentar esta ameaça e proteger os venezuelanos”, disse o presidente da Assembleia Nacional (parlamento), maioritariamente da oposição, Juan Guaidó.

Depois de mais de um ano de paradeiro desconhecido, o antigo número dois das FARC e principal negociador do acordo de paz de 2016, Iván Márquez, reapareceu num vídeo, na passada quinta-feira, com outros ex-líderes do grupo, anunciando o regresso às armas. O ministro da Defesa da Colômbia disse na sexta-feira à rádio colombiana La FM que vai tomar medidas para enfrentar esse grupo que supostamente se refugia em território venezuelano.

Segundo Guillermo Botero, a Colômbia conta com uma unidade especializada, composta por homens dos serviços secretos, da polícia e investigadores para capturar este grupo e levá-lo perante a justiça.

Também terça-feira, o presidente da Assembleia Constituinte venezuelana (composta unicamente por simpatizantes do regime), Diosdado Cabello, acusou a Colômbia de treinar e armar guerrilheiros que depois envia para território venezuelano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)