Rádio Observador

Teatro

20 novidades da “rentrée” nos palcos portugueses

Bruno Nogueira no D. Maria II, Ivo Canelas no Mercado da Ribeira e Guy Nader em Almada. E há mais: primeira encenação de Nuno Cardoso à frente do São João e festivais de dança em várias cidades.

Albano Jerónimo em "A Morte de Danton", encenação de Nuno Cardoso no Teatro Nacional São João a partir do dia 18

JOÃO TUNA

Autor
  • Bruno Horta
Mais sobre

Com o regresso das férias de verão, teatros e salas de espetáculos iniciam uma nova temporada e já é possível antever algumas propostas, ainda que nem todos tenham divulgado para já a programação completa dos próximos meses. De entre digressões, estreias absolutas e acolhimentos, o Observador selecionou 20 espetáculos em todo o país, organizados por data de apresentação e com base nas informações divulgadas pelos criadores.

Braga

Theatro Circo – “A Antiga Mulher”, 8 a 10 de outubro

Com encenação de Toni Cafiero, da Companhia de Teatro de Braga, este texto do dramaturgo alemão Roland Schimmelpfennig (nascido em 1967) conta uma “história tão antiga quanto a humanidade”, com o regresso de uma amante à vida de um homem casado. “Schimmelpfennig é o explorador de universos de luz e mais sombrios das nossas identidades contemporâneas, lá onde o equilíbrio do feminino e do masculino está em jogo.”

Guimarães

Centro Cultural Vila Flor – “Madrugada” e “Annette, Adele e Lee“, 14 de setembro

O Centro Cultural Vila Flor (CCVF) está a comemorar 14 anos de existência e precisamente no dia 14 assinala a data com duas propostas da área da dança. “Madrugada”, de Victor Hugo Pontes, um “espetáculo em transe” sobre a ideia de exaustão física, e “Annette, Adele e Lee”, de Rui Lopes Graça, em colaboração com o artista plástico João Penalva, a partir de sons de sapateado. Ambas com intérpretes da Companhia Nacional de Bailado.

©Hugo David

Vila Real

Teatro de Vila Real – “Arquivo Negro”, 21 de setembro

De título completo “Arquivo Negro – Passos Largos em Caminhos Estreitos”, uma coreografia de Cláudia Nwabasili e Roges Doglas, pela Companhia Pé no Mundo, do Brasil. Trata-se de um espetáculo “livremente inspirado em histórias de personalidades negras que não foram devidamente valorizadas nas narrativas históricas”, como Maria Firmina dos Reis, Carolina Maria de Jesus, Abdias do Nascimento.

[vídeo promocional de “Arquivo Negro”]

Porto

Teatro Nacional São João – “A Morte de Danton“, 18 a 29 de setembro

Peça que marca o início da primeira temporada no São João sob a liderança de Nuno Cardoso, que assumiu funções no início deste ano. É ele o encenador deste texto que Georg Büchner publicou em 1835, sob os ecos da Revolução Francesa. “Uma feroz fragmentação da forma teatral tradicional, lançando cenas curtas e longas, agitadas e meditativas num entrechocado fluxo narrativo que antecipa a montagem cinematográfica.” Será apresentado no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, em janeiro do próximo ano.

Rivoli – “La Fiesta“, 27 de setembro

Descrito como um dos grandes inovadores do flamenco atual, Israel Galván (Sevilha, 1973) faz neste dia a estreia portuguesa de um espetáculo sobre o regresso à sua infância e à essência dos “tablaos”. “O público é convidado a vibrar e, sobretudo, a desvendar os enigmas desta festa de recordações pessoais e coletivas.”

[vídeo de “La Fiesta” quando da apresentação no ano passado em Londres]

Rivoli – “Auto-Acusação“, 4 e 5 de outubro

Lê-se na sinopse: “O novo espetáculo do Teatro do Bolhão, com encenação de Joana Providência e Maria do Céu Ribeiro, a partir de Peter Handke, é uma das intituladas ‘Peças Faladas’, na qual não há personagens, narração ou cenário e a palavra ganha o protagonismo da cena.” Em estreia.

Aveiro

Teatro Aveirense – “À Espera de Beckett ou Quaquaquaqua“, 21 de setembro

Prossegue a digressão nacional desta peça de homenagem ao ator e encenador Francisco Lopes Ribeiro, o Ribeirinho (1911-1984). São recordadas as três versões de “À Espera de Godot”, de Beckett, que Ribeirinho encenou em 1959, 1969 e 1973. Texto e direção de Jorge Louraço, com Estêvão Antunes, Mário Moutinho, Óscar Silva e Pedro Diogo.

Coimbra

Teatro Académico Gil Vicente –“Playoff”, 11 de outubro

Texto de Marta Buchaca e direção de José Luis Arellano García, uma “tragicomédia que decorre no balneário de uma equipa de futebol feminino”, para refletir sobre “o papel da mulher e do desporto feminino numa sociedade que manifesta ainda um machismo feroz”.

Minde

Fábrica de Cultura – “Mistério da Cultura“, 27 de setembro

Proposta do coreógrafo David Marques, “um puzzle de motivações dos artistas e do público, um thriller burocrático dançado, um enigma por desvendar”, em antestreia no âmbito do Festival Materiais Diversos, que assinala uma década de existência e decorre desta vez entre 27 de setembro e 5 de outubro, em Minde, no Cartaxo e em Alcanena.

Lisboa

Escola de Mulheres / Clube Estefânia – “O Banho de Tomoko” – 5 a 22 de setembro

O poder das imagens, a interpretação que lhes damos, o choque, a surpresa – a representação do sexo é mais poderosa do que a da morte, o que é verdade e o que é mentira? São temas e perguntas de partida para um espetáculo de Catarina Santiago Costa e Marta Lapa, em estreia.

©Valério Romão

Teatro Municipal São Luiz – “A Dama das Camélias” – 6 a 22 de setembro

O romance clássico de Alexandre Dumas (Filho), descrito pelo encenador, Miguel Loureiro, como “sortilégio tardo-romântico que tanto fascínio ainda nos causa, por refundar o gesto, o esgar e a miragem românticos, com a sua plêiade de perdidos, drogados, tísicos, arruinados e com todo o seu ‘grandeur’ fanado”. Com Álvaro Correia, António Durães, Carla Bolito, Carla Maciel, Gonçalo Waddington, Leonor Buescu, Miguel Mateus, Miguel Sopas, Rita Rocha, Sonja Valentina, Victor de Sousa (voz “off”).

[vídeo de promoção de “A Dama das Camélias”]

A Dama das Camélias

«A Dama das Camélias», de Alexandre Dumas (filho), abre a temporada 2019-2020 no Teatro São Luiz. Com encenação de Miguel Loureiro, estreia já a 6 de setembro na Sala Luis Miguel Cintra.#teatrosaoluiz #saoluiz125anos #adamadascamelias #alexandredumasfils #miguelloureiro

Posted by São Luiz Teatro Municipal on Thursday, August 22, 2019

Mercado da Ribeira / Estúdio Time Out – “Todas as Coisas Maravilhosas”, 27 de setembro a 13 de outubro

Monólogo escrito por Duncan Macmillan, regressa a Lisboa com aura de acontecimento. “Ivo Canelas convida o público a participar, abordando, de forma emocionante e com humor, temas como a depressão, as crises existenciais, a família e o amor.”

©Hugo Macedo

Teatro Nacional D. Maria II – “Depois do Medo“, 9 a 13 de outubro

Bruno Nogueira encena e interpreta um regresso à “stand up comedy” e “aborda questões que só incomodam pessoas que têm demasiado tempo livre”, diz a sinopse. “Entre os temas interessantíssimos, poderão encontrar a intrigante problemática das pessoas que, sem terem nada na boca, mastigam quando estão a olhar para alguém a comer.” Um espetáculo estreado em novembro de 2018, no Teatro das Figuras, em Faro, agora na Sala Garrett. Também no D. Maria II, a 17 de outubro, Jorge Andrade e Deborah Pearson apresentam “Money“.

©João Porfírio/Observador

Culturgest – “Rétrospective“, 19 de outubro

Compilação e montagem, em vídeo, de seis espetáculos do coreógrafo francês Jérôme Bel (de 1995 a 2015), “expõe as preocupações centrais de Bel à volta de temas como o corpo, a língua, a cultura, o poder e a vulnerabilidade, concentrando-se na ligação entre dança e política”.

Teatro Camões – “A Meio da Noite“, 19, 20 e 27 de outubro

Criação da Companhia Olga, é uma “profunda homenagem” a Ingmar Bergman e aos atores dos seus filmes. “Sete intérpretes encontram-se para partilhar as suas pesquisas sobre a obra do realizador e criarem, coletiva ou individualmente, cenas que possam integrar um futuro espetáculo.” Com André de Campos, Beatriz Dias, Bruno Alexandre, Bruno Alves, Catarina Câmara, Francisco Rolo, Lígia Soares e Rita Calçada Bastos. A estreia foi em abril do ano passado no Teatro Nacional São João.

[vídeo promocional de “A Meio da Noite”]

Almada

Teatro Municipal Joaquim Benite – “Time Takes the Time Time Takes” , 21 de setembro

Espetáculo de e Guy Nader e Maria Campos, “consiste numa conversa física e dinâmica baseada na repetição coreográfica, e tendo como ‘leitmotiv’ o movimento pendular: o mesmo movimento dos mecanismos que medem tempo e espaço.” É uma das propostas da 27ª Quinzena da Dança de Almada, que decorre entre 21 de setembro e 10 de outubro.

[excerto de “Time Takes the Time Time Takes”]

Faro

Teatro das Figuras – “Adorabilis”, 19 de setembro

Criação da dupla Jonas & Lander, em reposição no âmbito do Festival Dance Dance Dance 2019. “Pensando no polvo enquanto símbolo de multiplicidade, Jonas & Lander decidem criar uma dança-polvo com o objetivo de ingerir, digerir e regurgitar distintas referências culturais e naturais.”

[excertos de “Adorabilis”]

Ponta Delgada, Açores

Teatro Micaelense – “Farde-Moi”, 4 de outubro

“Esta peça de teatro físico, para cinco intérpretes, pretende explorar o tema da identidade na sociedade contemporânea”. Criação da Compagnie Maxime & Francesco, acolhida em Ponta Delgada como parte do Paralelo – Festival de Dança.

[vídeo promocional de “Farde-Moi”]

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)