Rádio Observador

KIA

Vêm aí versões “poupadinhas” do Kia XCeed e Ceed SW

A marca sul-coreana Kia vai estrear, em simultâneo, duas versões híbridas plug-in para o SUV XCeed e a carrinha Ceed SW. Ambas têm 141 cv e a capacidade de percorrer até 60 km em modo eléctrico.

Dentro de menos de um ano, a Kia vai passar a oferecer duas versões híbridas plug-in (PHEV) na sua gama, tendo como objectivo diminuir as emissões de dióxido de carbono para, assim, cumprir a média de 95 g de CO2/km, meta tornada obrigatória pela União Europeia em 2020.

Mas os PHEV vão ser igualmente interessantes para os clientes que queiram um veículo que possa percorrer até cerca de 60 km (valor ainda em fase de homologação) em modo eléctrico, diminuindo as emissões e os custos de utilização, para depois estarem ao nível dos seus “colegas” a gasolina, quando é necessário percorrer distâncias superiores. Neste caso, por montarem mecânicas híbridas, conseguem ser alternativas mais económicas do que os rivais que não contam com o apoio de um motor eléctrico.

Tanto o XCeed PHEV como o Ceed SW PHEV vão estar disponíveis a partir do início de 2020 no nosso país, em Janeiro ou Fevereiro, montando o motor 1.6 GDI atmosférico a gasolina, com quatro cilindros. Este motor convencional a combustão, com 105 cv e 147 Nm de binário, conta com a ajuda de um eléctrico de 44,5 kW, ou seja, com 60,5 cv e 170 Nm. No total, os novos Kia PHEV debitam 141 cv e 265 Nm de “força”, um valor interessante para permitir uma deslocação sem problemas, sempre com ênfase no consumo reduzido.

Alimentados por uma bateria de 8,9 kWh, a mesma que lhes garante cerca de 60 km se a bateria estiver a 100%, as versões PHEV do XCeed e do Ceed SW são capazes de atingir os 100 km/h ao fim de 10,8 segundos (carrinha) e 11,0 segundos (SUV).

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Minas

O lítio. Contra a desinformação marchar, marchar!

Filipe Anacoreta Correia
738

A extração do lítio não representa um retorno elevado e a acontecer seria o mais grave atentado à riqueza do nosso país: o desenvolvimento sustentável e a preservação do seu património natural.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)