Rádio Observador

Combustível

Catarina Martins diz que desconvocação da greve é “passo importante”

A coordenadora do Bloco de Esquerda espera que a entidade patronal cumpra um eventual acordo. "É um passo importante, porque é um passo negocial e isso é muito importante", afirmou.

Catarina Martins deseja que deste anúncio "saia um acordo coletivo de trabalho que regule as horas"

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, disse que a desconvocação da greve dos motoristas, anunciada este sábado, é “um passo importante”, esperando que a entidade patronal cumpra um eventual acordo.

É um passo importante, porque é um passo negocial e isso é muito importante”, afirmou aos jornalistas, quando participava num piquenique organizado por um grupo de pedreiros de Penafiel, no distrito do Porto.

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) anunciou este sábado a desconvocação da greve ao trabalho extraordinário, fins de semana e feriados que se deveria prolongar até dia 22 de setembro.

O presidente do SNMMP, Francisco São Bento, revelou existir um “acordo de princípio” com a Antram que permitiu a desconvocação da greve, cujo início esteve previsto para as 00:00 de hoje.

Catarina Martins acentuou que espera que um eventual acordo entre as partes seja cumprido pelos patrões, porque, referiu, “este conflito deve-se em muito ao facto de as entidades patronais não terem cumprido o primeiro acordo coletivo que foi feito”.

Disse também desejar que deste anúncio “saia um acordo coletivo de trabalho que regule as horas, tanto para bem dos trabalhadores, como para a segurança de todos, que respeite a sua remuneração e os seus descontos para a segurança social”.

“Esperamos que este seja para cumprir e que o Governo seja exigente no cumprimento do acordo coletivo que for alcançado”, reforçou a dirigente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)