Rádio Observador

Séries

Comédia, política e super-heróis. 10 séries que queremos começar a ver até ao final do ano

Todas as semanas chegam novas séries mas não há tempo para tudo. Esta é uma seleção das melhores novas produções que vai poder ver até dezembro. Não precisa agradecer.

Autor
  • André Almeida Santos
Mais sobre

Nos últimos dois anos o mercado televisivo tem afunilado para as plataformas de streaming. É inevitável olhar para as estreias da Netflix, HBO, Prime Video, Hulu (ainda não disponível em Portugal) e, brevemente, Disney + e concentrar atenções no calendário das estreias. É natural pela quantidade, qualidade e pela facilidade com que os conteúdos chegam ao destinatário (facilidade e flexibilidade). De certeza que já reparou que as estreias nos canais de televisão – de cabo e não só – não pululam como acontecia há uns anos. Nada é por acaso.

Não quer dizer que não haja um mundo para lá dessas plataformas. Há, mas começa a ser difícil fugir-lhes. Por isso, quando queremos saber o que vamos ver nos próximos meses, é por aí que começamos. Escolhemos dez novas séries que as diferentes plataformas de streaming vão estrear até ao final do ano. Poderiam ser mais, mas há que guardar algum tempo para algumas novas temporadas que irão chegar nas próximas semanas/meses, como “The Deuce” (T3), “The Good Place” (T4), “The End of the F***ing World” (T2), “The Walking Dead” (T10), “The Crown” (T3), “Sillicon Valley” (T6) ou a reencarnação de “The L Word” como “Generation Q”. Tudo bons motivos para ficar em casa. Ou ter os olhos postos num ecrã nas viagens de metro.

“The Loudest Voice”

HBO, 11 de Setembro

Em sete episódios, Tom McCarthy e Alex Metcalf vão recriar a história de Roger Ailes (Russell Crowe), o criador da Fox News, mas que também foi consultor de Richard Nixon, Ronald Reagan, George W. Bush e Donald Trump. A série mostra como Ailes tornou a Fox News na potência que é hoje e de como viu na televisão, nas notícias, uma força maior para influenciar a população americana. A série concentra-se, sobretudo, nos eventos da última década, antes de Ailes morrer, em 2017.

“Undone”

Prime Video, 13 de setembro

Co-criação de Kate Purdy e Raphael Bob-Waksberg, a equipa por detrás de “Bojack Horseman”, “Undone” usa animação em rotoscopia para ilustrar as visões e o dia a dia de uma mulher, Alma (Rosa Salazar), que tenta resolver a sua vida após um acidente de carro. Tem um ar pesado, pois tem, mas com aquela equipa a usar esta tecnologia há que esperar uma maravilha alucinante.

“Criminal”

Netflix, 20 de setembro

Se já viu todas as temporadas de “Line Of Duty”, certamente sabe como um interrogatório policial pode oferecer alguns dos melhores momentos da televisão recente (se tem dúvidas, faça o favor de ir ver já a série da BBC, que está disponível na Netflix, e venha falar connosco depois de ver o fim da última temporada). “Criminal” é uma nova aposta da Netflix que acontece sobretudo em salas fechadas de interrogatório com um formato muito distinto, os doze episódios saltam entre quatro países (Reino Unido, França, Alemanha e Espanha) e serão filmados em linguagem local. Pode resultar muito bem ou muito mal. Seja como for, o formato já captou a nossa atenção.

“The Politician”

Netflix, 27 de setembro

Ryan Murphy tem mãos em “American Horror Story”, “Pose”, “Feud”, “American Crime Story”, “Glee”, “Popular”, entre muitas outras. Ele arranjou tempo para isto tudo na sua vida, merece respeito e merece que acompanhemos todas as suas séries. Mesmo quando históricas, são um retrato mordaz da sociedade – especialmente americana – e da atualidade. “The Politician” é a sua primeira produção para a Netflix e volta a um lugar onde já foi muito feliz com “Glee” e “Popular”, a escola secundária, alterando por completo as regras do que se espera de uma série do género. Os dramas e as intrigas da adolescência misturam-se com as ambições políticas de um grupo de jovens. E não estão para menos: querem ser Presidente dos Estados Unidos.

“Batwoman”

HBO, data a confirmar

A série é da CW e estreia-se a 6 de Outubro, por cá chegará no serviço HBO Portugal, mas ainda não tem data anunciada. É muito provável que acompanhe a estreia norte-americana. Kate Bane (Ruby Rose) conseguiu finalmente o palco principal, depois de aparecer nas últimas temporadas de “Arrow” e “The Flash”. Gotham City estará entregue às mãos de uma heroína.

“Watchmen”

HBO, 21 de outubro

Duas perguntas: será esta a próxima “Guerra dos Tronos” da HBO? e Alan Moore está envolvido? Não e não. Por muito que se queira que a resposta fosse “sim” a ambas, é muito imprevisível – historicamente – que a HBO consiga debitar outro sucesso àquela escala em tão pouco tempo. Em relação a Alan Moore, claro que nunca estaria envolvido. Estão doidos? E claro que não vai gostar nada disto, sempre se opôs a adaptações dos seus universos. E é precisamente isso que “Watchmen”, a série, é. Inspira-se nas personagem criadas por Alan Moore e Dave Gibbons na segunda metade dos 1980 para criar um cenário semelhante numa versão dos Estados Unidos da atualidade. Há ingredientes para isto resultar muito bem. E um deles é Damon Lindelof, um dos co-criadores de “Perdidos” e “The Leftovers”. Não estranhem que seja a série de que toda a gente irá falar no final deste ano.

“His Dark Materials”

HBO, outubro

Esta produção da BBC/HBO mostrou, estrategicamente, as suas primeiras imagens quando toda a gente andava louca com a última temporada de “Guerra dos Tronos”. Espertos, claro, mas também porque os “Mundos Paralelos” de Philip Pullman mereciam uma adaptação decente que faça esquecer o filme de 2007. Pelo que já se viu, está no bom caminho. Agora é esperar para ver se cumpre e se se tornará um sucesso igual ou maior do que os livros.

“The Mandalorian”

Disney+, 12 de novembro

Ainda não há data para chegada do serviço de streaming da Disney a Portugal. No dia 12 de novembro chegará a algumas regiões com uma novidade estrondosa, “The Mandalorian”, a primeira série em live-action do universo “Star Wars”, com uma história que ocorre entre a trilogia original e a mais recente. Boa forma forma de abrir o apetite para o novo filme que chega a 19 de dezembro.

“Work in Progress”

Showtime, 8 de dezembro

Ainda não tem data de estreia por cá, mas é de esperar que esta série produzida por Lilly Wachowski (“The Matrix”) chegue por alguma via (provavelmente HBO), visto que as séries da Showtime não costumam falhar. Esta comédia conta a história de uma atriz de 45 anos que se auto descreve como gorda e lésbica e que se apaixona por um millennial trans.

“The Witcher”

Netflix, dezembro

Os livros de Andrzej Sapkowski foram primeiro um fenómeno na Polónia e depois espalharam-se pelo mundo inteiro. Parte do sucesso deve-se ao videojogo com o mesmo nome e, agora, a Netflix quer ver se encontra aqui o seu “Game Of Thrones”. Há muito sexo, corrupção, magia e fantasia no universo criado por Sapkowski, que é encabeçado por Henry Cavill e o seu Geralt Of Rivia, um feiticeiro que anda por esse mundo fantástico à procura de uma justiça sempre em linha com os seus interesses.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)