Rádio Observador

Seleção Nacional

Fernando Santos esperava “uma Sérvia diferente”. O Euro 2020 está mais próximo, “mas não podemos pensar que isto acabou”

Depois de vencer a Sérvia por 2-4, Portugal subiu para o 2º lugar do grupo B, na fase de apuramento para o Euro 2020. A Seleção está mais perto do objetivo, mas Santos pôs algum gelo no entusiasmo.

PEDJA MILOSAVLJEVIC/AFP/Getty Images

Satisfeito com o resultado, convicto de que o apuramento para o Europeu 2020 ficou mais próximo, mas ainda cauteloso: “Não podemos pensar que isto acabou”, disse o selecionador nacional Fernando Santos após a vitória de Portugal por 2-4 frente à Sérvia, em Belgrado, em mais um jogo a contar para a fase de apuramento do Euro 2020.

Questionado na flash interview (transmitida pela RTP3) sobre a diferença da primeira parte para a segunda — ao intervalo a Seleção Nacional vencia por 0-1, o jogo terminou 2-4 —, Fernando Santos afirmou que a mudança deveu-se sobretudo à diferença de atitude do adversário. “A equipa da Sérvia teve de abrir mais espaços, teve de abrir mais linhas. Esperava uma Sérvia diferente, mais ofensiva, que desse mais espaço. Pensava que a Sérvia ia apostar numa toada mais ofensiva, [com] pressão mais alta, a procurar vencer o jogo logo ao início”.

A abordagem do adversário ao jogo na primeira parte foi feita com “linhas recuadas, muito fechadas, sempre a procurar explorar o contra-ataque, um pouco à semelhança de como jogou em Portugal”, no jogo em março que terminou 1-1, apontou ainda o treinador português. “Foi um jogo difícil nessa [primeira] parte, foi difícil criar situações. Jogaram com mais um central a lateral-direito… mas fomos sempre dominadores. Tivemos uma ou outra situação”, referiu o selecionador português.

Aqui e acolá acho que parámos o jogo de mais. Isso aconteceu-nos depois também na segunda parte. Alguns movimentos em que saíamos com a bola, cada vez que a equipa sérvia se desiquilibrava na primeira parte não fomos tão verticais como devíamos ter sido e como eu tinha pedido, para tirar proveito de alguma lentidão que eu entendia haver nos centrais da equipa da Sérvia”, referiu ainda o técnico.

Admitindo que a equipa foi feliz na primeira parte — dado o golo inusitado de William Carvalho, após um desentendimento entre adversários, e o facto de o golo ter sido o único remate português enquadrado com a baliza nos primeiros 45 minutos —, Fernando Santos lembrou que em março, no Estádio da Luz, tinha acontecido o contrário: “Tivemos cinco, seis lances e não conseguimos concretizar. O futebol é isto”.

Fernando Santos disse ainda que pediu aos jogadores ao intervalo para retificar a falta de verticalidade do ataque português na primeira parte. “O Guedes tinha essa indicação porque o lateral deles já tinha amarelo. Era importante ir para cima, era importante criar espaços nas costas da linha adversário. Entrámos muito bem na segunda parte, fizemos o segundo golo e naquilo que somos substancialmente fortes [processo defensivo] acabámos por não ser tão fortes neste jogo mas acho que quando fizemos o 0-2 entrámos numa toada mais lenta, outra vez a gerir a bola para trás”.

A equipa começou a querer ganhar o jogo aos 0-2, a querer ter bola e ganhar o jogo ali. Não, faltava muito tempo para acabar o jogo. Depois andámos ali numa complicação sistemática…”, apontou.

A vitória, essa foi ainda assim “justíssima”, considerou ainda o Selecionador. “Nada está definido, disse que nada era decisivo e não é, mas é verdade que neste momento a Sérvia está numa posição muito complicada. Tem oito pontos negativos em termos de perda de pontos, Portugal tem quatro e a equipa da Ucrânia só tem dois. Para nós este foi um passo muito importante mas não podemos pensar que isto acabou. Temos um jogo importantíssimo na Lituânia, vencendo ficamos cada vez mais perto do apuramento e é isso que queremos“, rematou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)