Rádio Observador

Benfica

Vieira saúda “justo reconhecimento” de Cabo Verde a todos os que trabalham no Benfica

O presidente do Benfica disse que a condecoração atribuída pelo Governo de Cabo Verde é um "justo reconhecimento" para todos aqueles que tentam fazer do clube "uma referência" mundial.

António Pedro Santos/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, disse esta sexta-feira que a condecoração que o clube recebeu do Governo de Cabo Verde é um “justo reconhecimento” a todos aqueles que trabalham para que os ‘encarnados’ sejam “uma referência” mundial.

“É uma honra, como presidente, receber esta distinção ao Sport Lisboa e Benfica pelo Governo de um país irmão. É um justo reconhecimento para todos aqueles que, diariamente, trabalham para que hoje o nosso clube seja uma referência que vai muito para além do plano desportivo ou financeiro. Também no plano social, a Fundação Benfica é um exemplo em todo o mundo”, disse.

O Governo de Cabo Verde condecorou o Benfica com a Medalha de Mérito Desportivo, como “reconhecimento pela sua história” e “dimensão amplamente plural dentro e fora das fronteiras da CPLP”.

A condecoração foi entregue pelo primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, ao presidente do Benfica, no dia em que inicia uma visita de dois dias à cidade Praia.

No seu discurso, Luís Filipe Vieira disse estar “honrado e emocionado” pela forma como mais uma vez foi recebido na cidade da Praia, sublinhando a forma como o povo de Cabo Verde vive a paixão pelo Benfica.

“Este carinho imenso que nos envolve dá-nos força e responsabilidade para que o Benfica seja cada vez maior”, projetou o líder dos campeões portugueses de futebol.

Vieira disse ainda que o Benfica vai “muito além das fronteiras de Portugal, é um clube global e, em particular, da lusofonia”.

O dirigente notou que o Benfica já lançou “algumas sementes” em Cabo Verde e que outras serão lançadas, por entender que este país e o seu povo “merecem toda dedicação e envolvimento” do clube.

Por sua vez, o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, disse que a condecoração do Benfica é um reconhecimento de algo que os cabo-verdianos “sentem, vivem”, tanto em Cabo Verde como na sua diáspora.

“Estamos nos mesmos sítios, nos mesmos países, nos Estados Unidos da América, na Europa, em África, no continente, e o futebol acaba por ser o elo que liga de facto e que cria o sentido de comunidade”, referiu.

O chefe do Governo sublinhou o papel do Benfica na promoção da lusofonia, que também contou com a contribuição de alguns cabo-verdianos que passaram pelo clube.

“Esta é a razão desta condecoração. É única e irrepetível e justifica-se pela história, pelo prestígio e pela globalização que o Benfica tem dado um contributo importante”, salientou Correia e Silva, que lembrou Eusébio como uma das “figuras importantes” que se afirmaram através do Benfica e também ajudaram o clube a se afirmar.

Ulisses Correia e Silva disse que o Governo de Cabo Verde quer desenvolver uma “boa relação” de cooperação com o Benfica, não só ao nível do futebol, mas também nas modalidades, formação e na vertente social.

Para isso, informou que “brevemente” será assinado um protocolo nesse sentido com o clube de Lisboa, para “cimentar ao mais alto nível” a relação.

Depois de receber a medalha no Palácio do Governo, Luís Filipe Vieira foi recebido pelo presidente da Câmara Municipal da Praia, Óscar Santos.

A comitiva liderada por Vieira é composta ainda pelos vice-presidentes Domingos Almeida Lima e Alcino António, o antigo capitão da equipa principal de futebol Luisão, entre outros elementos.

O ponto alto da visita será a inauguração no sábado da Casa do Benfica na cidade da Praia, na presença de Luís Filipe Vieira e do primeiro-ministro cabo-verdiano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)