Rádio Observador

Peugeot

3008 é o primeiro dos “grandes” a abraçar o PHEV

Entre os SUV que mais vendem no segmento C, liderado pelo Qashqai, Tiguan e 3008, este é o primeiro que adopta uma versão PHEV, que lhe permite mais potência, menos consumo e tracção 4x4.

Autor
  • Observador

A Peugeot anunciou que, a partir de Outubro, vai ser possível encomendar os novos 3008 Hybrid e 3008 Hybrid4, as duas versões electrificadas do SUV compacto da marca francesa, com a primeira a ser exclusivamente híbrida e a segunda a oferecer os benefícios desta solução, além das vantagens de percorrer alguma distância em modo eléctrico, devido ao facto de possuir uma bateria maior e mais potência nos motores eléctricos.

À semelhança dos restantes fabricantes, também a Peugeot tem necessidade de propor modelos menos poluentes e com menores consumos, por tabela anunciando menores emissões de dióxido de carbono (CO2). Tal como o CEO da PSA, Carlos Tavares, já tinha anunciado, para atingir a meta de 95 g de CO2 por km em 2020, além dos veículos 100% eléctricos, que emitem 0% de CO2, são necessários muitos modelos electrificados, capazes de servir quem ainda não está pronto a encaixar um veículo exclusivamente eléctrico no seu dia-a-dia, oferecendo maior autonomia à custa do motor de combustão e maior rapidez no reabastecimento (atestar com gasolina continua a ser muito mais rápido do que recarregar a bateria), sem contudo impedir o utilizador de beneficiar das vantagens do veículos eléctricos, pois os híbridos plug-in (PHEV) permitem percorrer cerca de meia centena de quilómetros em modo eléctrico, com vantagens para a carteira e para o ambiente.

Daí que a Peugeot arranque, a partir de Outubro, com as encomendas das versões Hybrid e Hybrid4 do 3008, com a primeira a assumir-se como uma proposta exclusivamente híbrida, com um motor a gasolina a surgir ajudado por uma unidade eléctrica. O motor a gasolina do 3008 Hybrid é o 1.6 PureTech com 180 cv da PSA, a que soma os 110 cv do motor eléctrico com integra dentro da caixa de velocidades, a e-EAT 8 automática com oito velocidades. No total, o 3008 Hybrid conta com 225 cv e apenas tracção à frente, apesar da marca não ter revelado mais dados sobre o consumo e prestações desta versão, que começará a chegar aos clientes na Primavera de 2020.

Mais interessante parece ser o 3008 Hybrid4, o PHEV da família. O motor a gasolina é o mesmo 1.6 PureTech, mas aqui na versão de 200 cv, a que associa um motor eléctrico integrado na caixa de velocidades e-EAT 8, além de uma segunda unidade similar no eixo traseiro. A Peugeot consegue assim ter mais potência disponível, de forma a garantir tracção integral 4×4, sem ter necessidade de montar veios de transmissão ou diferencial traseiro. Alimentado por uma bateria de 13,2 kWh, o 3008 PHEV consegue percorrer 59 km em modo eléctrico, além de atingir os 100 km/h em 5,9 segundos, uma vez que dispõe de uma potência acumulada de 300 cv.

Com uma velocidade máxima em modo eléctrico limitada a 135 km/h, para não castigar em demasia a autonomia, o 3008 Hybrid4 é capaz de recarregar o acumulador em 7 horas na tomada lá de casa, a 3,2 kW, para realizar a mesma operação numa wallbox doméstica que garanta 7,4 kW em 1 hora e 45 minutos. Ao anunciar a emissão de somente 29 g de CO2/km e um consumo de apenas 1,3 l/100 km, este PHEV terá grandes vantagens em termos de benefícios fiscais.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minas

O lítio. Contra a desinformação marchar, marchar!

Filipe Anacoreta Correia
738

A extração do lítio não representa um retorno elevado e a acontecer seria o mais grave atentado à riqueza do nosso país: o desenvolvimento sustentável e a preservação do seu património natural.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)