Rádio Observador

Comércio

Trocas comerciais entre China e EUA diminuem com escalada da guerra de tarifas

As trocas comerciais entre a China e os EUA estão a cair de forma acentuada, refletindo as crescentes disputas entre os dois países e a incerteza sobre o desfecho da guerra de tarifas.

ETIENNE LAURENT/EPA

As trocas comerciais entre a China e os EUA estão a cair de forma acentuada, refletindo as crescentes disputas entre os dois países e a incerteza sobre o desfecho da guerra de tarifas, apesar do acordo para retomar as negociações.

As importações de produtos norte-americanos pela China caíram 22% em agosto, face ao mesmo mês de 2018, para os 10,3 mil milhões de dólares (cerca de 9,3 mil milhões de euros), na sequência do aumento de tarifas imposto pela China e de vários cancelamentos de encomendas, indicam dados alfandegários citados pela AP.

As exportações para os Estados Unidos — o maior mercado de destino dos produtos chineses — registaram, por seu lado, uma quebra de 16% para 44,4 mil milhões de dólares (cerca de 40,3 mil milhões de euros), refletindo a pressão das tarifas impostas por Donald Trump em resposta à política de Pequim para o setor tecnológico.

Os EUA consideraram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

A imposição de tarifas alfandegárias por ambos os países custaram já milhares de milhões de euros em importações e causaram fortes perturbações nas trocas comerciais de vários produtos, desde soja a equipamentos médicos.

Além dos efeitos da escalada da guerra comercial com os Estados Unidos da América, as empresas chinesas têm também de lidar com os efeitos do abrandamento da economia mundial, atrapalhando a linha de orientação da China em busca de mercados alternativos ao norte-americano.

As exportações totais da China caíram 3% para os 214,8 mil milhões de dólares (194,8 mil milhões de euros), enquanto as importações subiram 1,7% para 180 mil milhões de dólares (163,2 mil milhões de euros).

Na quinta-feira, o Governo chinês anunciou em comunicado que as delegações da China e Estados Unidos que negoceiam um acordo comercial vão voltar a reunir em outubro, em Washington, informou hoje o Governo chinês, numa altura de crescentes disputas entre os dois países.

“Os dois lados concordaram em realizar a décima terceira rodada de negociações económicas e comerciais de alto nível em Washington, no início de outubro, antes da qual estarão em constante contacto”, revela o comunicado.

A mesma nota confirma que as delegações vão reunir, em meados de setembro, como anteriormente anunciado, “para preparar um progresso significativo durante as negociações de alto nível”.

“Ambas as partes concordaram que deveriam trabalhar juntas e tomar medidas práticas para criar condições favoráveis às negociações”, aponta.

A nova rodada de negociações ficou marcada após uma conversa via telefone, segundo a mesma fonte.

O telefonema realizou-se no início deste mês, no mesmo dia em que entraram em vigor, nos Estados Unidos, novas taxas alfandegárias, de 15%, sobre cerca de 300 mil milhões de dólares de importações oriundas da China.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou também que vai elevar as taxas de 25% para 30%, sobre 250 mil milhões de dólares de bens importados da China, a partir de outubro.

Washington e Pequim aumentaram já as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos de cada um, numa guerra comercial que espoletou há mais de um ano.

As disputas comerciais entre as duas maiores economias do mundo ameaçam também a economia mundial: o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu este mês as suas projeções de expansão global para 3,2%, em 2019, um décimo a menos do que as previsões feitas em abril.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)