Rádio Observador

AICEP

AICEP promove Portugal como destino tecnológico em missão na Califórnia

156

Agência organiza o evento Portugal Tech Summit em São Francisco. Objetivo é incentivar investidores a olharem para startups portuguesas e trazer investimento para o mercado português.

O presidente da AICEP, Luís Castro Henriques, diz que Portugal tem vindo a ganhar protagonismo no mundo tecnológico

Inácio Rosa/LUSA

A AICEP — Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal organiza em 18 de setembro o evento Portugal Tech Summit em São Francisco, Califórnia, com o objetivo de promover o país como destino tecnológico e atrair investidores.

O seminário insere-se numa missão de captação de investimento, disse à Lusa o presidente da AICEP, Luís Castro Henriques, que se deslocará a Silicon Valley entre 16 e 19 de setembro.

“Portugal tem vindo a ganhar protagonismo no setor tecnológico”, afirmou o responsável, destacando “o reconhecimento da atratividade do talento nacional, elevada qualidade de vida e segurança do país”. Estes são os alicerces da mensagem da AICEP junto das empresas norte-americanas que poderão estar interessadas em abrir escritório em Portugal, aliada à “politica de imigração atrativa”, o que “potencia a instalação de centros de engenharia e desenvolvimento de software em Portugal”.

O presidente da AICEP, que tem um gabinete permanente em São Francisco, referiu que os anúncios recentes da instalação de empresas como a Cloudflare e a Google em Portugal são demonstrativos da atratividade que o país tem neste momento no setor tecnológico.

O foco da missão, que incluirá reuniões individuais com várias empresas, é promover Portugal como um mercado onde há acesso a muito talento, algo que escasseia em Silicon Valley devido à potência das grandes tecnológicas, como Apple e Facebook, que dominam o recrutamento de profissionais qualificados.

A existência de ferramentas que facilitam a contratação de talento internacional a partir de Portugal, como o Tech Visa, é outro dos trunfos incluídos na mensagem da Agência.

Com este contexto favorável, incluindo o novo voo direto de São Francisco para Lisboa, a AICEP espera promover um interesse ainda maior de empresas americanas líderes em inovação tecnológica”, afirmou Luís Castro Henriques.

O seminário terá a participação de alguns elementos da diáspora portuguesa em Silicon Valley, com o CEO da Feedzai, Nuno Sebastião, a participar num painel ao lado de representantes da App Annie e da Anchorage. Haverá também uma discussão sobre as oportunidades de investimento entre Silicon Valley e Portugal com a presença de Nuno Gonçalves Pedro, fundador da Strive Capital, e Marco Fernandes, presidente da PME Investimentos e gestor do fundo 200M.

A ideia será incentivar os investidores institucionais a olharem para potenciais investimentos em ‘startups’ portuguesas, sabendo que estes poderão ser alavancados pelo fundo de coinvestimento. Um dos desafios em Silicon Valley é convencer empresas e investidores a olharem para a Europa, uma vez que a atenção está primariamente focada nos Estados Unidos e na Ásia.

O CEO da Cloudflare, Matthew Prince, será um dos oradores do Tech Summit e vai explicar porque é que a empresa escolheu Portugal para o seu centro europeu e de que forma as companhias norte-americanas estão a olhar para o país. O Portugal Tech Summit terá ainda a intervenção de Sayan Gomel, responsável de desenvolvimento corporativo do Silicon Valley Bank, que é um dos patrocinadores do evento, e Marvin Liao, partner da 500 Startups.

A AICEP, que tem Teresa Fernandes como responsável na região Oeste dos Estados Unidos, aponta para cerca de uma centena de participantes no evento, entre representantes de empresas tecnológicas e investidores interessados nas ‘startups’ nacionais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)