Rádio Observador

Drogas

Crise dos opiáceos. Farmacêutica propõe acordo de quase 30 milhões de euros no Ohio

Há mais de 2.000 processos em julgamento nos EUA contra as farmacêuticas que vendem opiáceos, que terão provocado dependência e morte de milhares de pessoas. As farmacêuticas tentam chegar a acordo.

Os opiáceos foram responsáveis por 47.600 mortes por overdose, em 2017, nos Estados Unidos

Getty Images

Uma das maiores produtoras de opiáceos genéricos está perto de chegar a acordo com dois condados do estado do Ohio (Estados Unidos) para evitar enfrentar o primeiro julgamento federal por causa da crise dos opiáceos no país, noticiou o jornal The New York Times. A Mallinckrodt Pharmaceuticals vai pagar 24 milhões de dólares (cerca de 22 milhões de euros) e mais de cinco milhões de euros em medicamentos, incluindo tratamentos contra a dependência.

A crise dos opiáceos matou mais de 702 mil pessoas em todos os EUA entre 1999 e 2017. Há mais de dois mil processos interpostos pelos governos estaduais e locais norte-americanos contra fabricantes de opiáceos por realizarem campanhas enganadoras que minimizaram os riscos do consumo, exagerando as suas vantagens.

O acordo da Mallinckrodt Pharmaceuticals é apresentado seis semanas antes do julgamento que vai determinar quanto é que os réus podem ter de pagar num processo com quase 2.300 casos. Este acordo, no entanto, diz respeito apenas a dois condados, Cuyahoga e Summit, e ainda tem de ser aprovado por estes.

Frank Galluci, advogado pelo Cuyahoga, disse, citado pelo jornal The Washington Post, que o acordo permitiria “conseguir alguns dólares mais cedo do que através do julgamento e começar a combater a epidemia”.

As farmacêuticas Allergan e Endo também já tinham chegado a acordo com os mesmos condados do Ohio: a Allergan dará 4,5 milhões de euros em dinheiro e a Endo nove milhões de euros em dinheiro mais quase um milhão de euros em medicamentos. A Mallinckrodt Pharmaceuticals é acusada de ter dispensado um quarto dos opiáceos usados nestes dois condados do Ohio entre 2006 e 2014. A empresa terá representado 38% das vendas de opiáceos entre 2006 e 2012.

No final de agosto, foi revelado que a Purdue Pharma estaria a negociar um acordo para pagar mais de 10 mil milhões de euros e o tratamento de reabilitação das pessoas que se tornaram toxicodependentes. O plano e o fundo público criado pela empresa e família Sackler que a detém seriam válidos por 10 anos, mas apenas se os procuradores e advogados aceitarem os termos do mesmo. Caso contrário, a empresa ameaça declarar falência.

Segundo a Bloomberg, a Mallinckrodt Pharmaceuticals também estará a considerar declarar falência depois de se ver envolvida nesta acusação com mais de dois mil processos abertos por estados, condados, tribos nativas americanas, entre outros.

Também em agosto deste ano, e numa decisão inédita, a Johnson & Johnson tinha sido obrigada a pagar cerca de 516 milhões de euros, no Oklahoma. A ideia é que este valor possa pagar um ano de tratamentos de desintoxicação e reabilitação naquele estado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)