Rádio Observador

Armamento Nuclear

Israel diz ter provas de que Irão está a fazer testes nucleares em segredo

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu revelou hoje imagens de satélite da pequena cidade de Abadeh para provar que o Irão destruiu uma instalação militar onde realizava testes nucleares.

ABIR SULTAN/EPA

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou esta segunda-feira o Irão de ter ocultado “uma instalação secreta” onde desenvolvia testes com armas nucleares, pedindo à comunidade internacional para manter pressão sobre Teerão.

Netanyahu revelou hoje imagens de satélite, obtidas em junho e julho na pequena cidade de Abadeh, para provar que, entre esses dois meses, o Irão destruiu uma instalação militar onde realizava dissimuladamente testes nucleares, depois de ter percebido que as autoridades israelitas tinham descoberto o seu segredo.

O Irão ainda não reagiu a esta denúncia, mas tem negado as acusações de estar a preparar armas nucleares, apesar de ter anunciado que vai aumentar o desenvolvimento de urânico enriquecido, à revelia dos termos do acordo que estabeleceu com vários países, como sinal de protesto contra as sanções impostas pelos Estados Unidos, que unilateralmente abandonaram o acordo assinado em 2015.

Durante uma conferência de imprensa em Jerusalém, o chefe de governo de Israel pediu à comunidade internacional para manter pressão sobre o Irão, para impedir o seu programa nuclear, numa altura em que os responsáveis da agência nuclear das Nações Unidas se encontram reunidos em Viena.

“Continuaremos a descobrir as suas mentiras”, insistiu Netanyahu, acrescentando que as sanções sobre o Governo de Teerão são a “única forma de travar o caminho do Irão para a bomba nuclear”.

A preocupação israelita é tanto maior pela animosidade que separa os dois países há várias décadas, com ameaças sucessivas de ataques que se intensificaram nos últimos meses.

Ainda esta segunda-feira, o exército israelita disse que as forças iranianas lançaram vários mísseis, a partir da Síria, embora sem atingir o território israelita.

O incidente seguiu-se a uma série de ataques aéreos contra posições iranianas na cidade síria de Al Bukamal, na fronteira com o Iraque, matando dezoito soldados milicianos, que a Síria atribui a Israel.

O anúncio do primeiro-ministro interino de Israel também está a interferir com a campanha eleitoral para as eleições nacionais de 17 de setembro, depois de Netanyahu ter perdido a maioria parlamentar, em abril.

“O que quero dizer aos tiranos iranianos é que Israel sabe o que vocês estão a fazer”, afirmou Netanyahu, que tem sido um dos principais opositores ao acordo nuclear internacional com o Irão, referindo-se às instalações em Abadeh, 500 quilómetros a sudeste de Teerão.

Em 2018, o Presidente dos EUA, Donald Trump, retirou o seu país do acordo nuclear com o Irão e instaurou várias sanções económicas, as últimas das quais relativas à exportação energética de gás e petróleo.

Na sequência destas medidas, Teerão tem atacado vários interesses norte-americanos na região, o que levou a um reforço da presença militar dos EUA na zona do Golfo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)