Rádio Observador

China

Livro de ex-secretário de Estado português censurado na China. “Terá havido uma intervenção política de última hora”

A publicação do livro "O despertar da Eurásia" de Bruno Maçães foi adiada devido à "censura" do regime chinês. "Este tipo de livro sempre foi publicado sem qualquer problema na China", diz o autor.

A publicação na China do livro “O despertar da Eurásia”, do antigo secretário de Estado dos Assuntos Europeus português Bruno Maçães, foi adiada devido à “censura” do regime chinês, revelou esta segunda-feira o autor. Em declarações à Rádio Observador, Bruno Maçães confessa que está “perplexo” e adianta que vai tentar perceber a razão que levou à censura da obra, apesar de admitir que “não será fácil”. “Talvez tenha sido o conteúdo (do livro), ou o meu perfil, ou a minha filiação com um “think thank” americano. Ou talvez tenha sido uma espécie de congelamento geral de novas publicações. Enfim, não sei”, admite o antigo secretário de Estado.

O anúncio da censura foi feito através do Twitter, rede social na qual Bruno Maçães reproduziu a mensagem que recebeu do editor chinês, que tinha previsto publicar a obra na semana passada. “Senhor Maçães, peço desculpa, mas a publicação teve de ser adiada devido à censura”, lê-se na mensagem. “Espero que compreenda”, acrescenta.

O Despertar da Eurásia — Em busca da Nova Ordem Mundial foi publicado em Portugal, em 2018, pelo Círculo de Leitores. Na obra, Maçães recorre a relatos de uma viagem de seis meses, sempre por terra, de Bacu a Samarcanda, e de Pequim a Vladivostoque, e defende que a mais significativa tendência geopolítica da atualidade é a crescente integração da Europa e da Ásia — uma realidade para a qual China e Rússia já despertaram, salienta. “É um livro em que apenas talvez 10% do conteúdo é sobre a China. É um livro muito filosófico e histórico. Tradicionalmente, nos últimos 20 anos, este tipo de livro sempre foi publicado sem qualquer problema na China”, explica o autor ao Observador.

Bruno Maçães diz que o livro já tinha sido traduzido e impresso e que deveria ter começado a ser distribuído na primeira semana de setembro. “Terá havido uma intervenção política de última hora. Certamente não é na véspera, um dia antes, que se pára a distribuição”, critica. E, para o autor, a censura de livros é um problema que pode levar a uma crise política.

São más notícias. É um círculo vicioso: o fechamento político leva a um fechamento intelectual, e o fechamento intelectual leva a mais fechamento político no futuro, e assim por diante. Tenho a certeza que há muitos autores que estão na mesma situação que eu”, refere.

Na China, os académicos e intelectuais são pressionados a aderir às interpretações oficiais do regime, enquanto a imprensa ou publicações são controladas pela censura do Partido Comunista Chinês. Neste sentido, Bruno Maçães aponta a falta de escolha nas prateleiras das livrarias naquele país: “As livrarias chinesas estão cada vez mais cheias de livros propagandísticos ou de manuais… Cada vez se pode falar menos de livrarias que tenham verdadeiramente livros”.

A materializar a nova visão do livro está o gigantesco projeto de infraestruturas lançado pela China ‘Uma Faixa, Uma Rota’. Bancos e outras instituições da China estão a conceder enormes empréstimos para projetos lançados no âmbito daquele gigantesco plano de infraestruturas, que inclui a construção de portos, aeroportos, autoestradas e linhas ferroviárias ao longo do sudeste asiático, Ásia Central, África e Europa.

Maçães considera o projeto chinês um desafio à ordem mundial definida pelo Ocidente, visando “redesenhar o mapa da economia mundial” de forma a “colocar a China no centro”.

O ex-secretário de Estado é atualmente consultor na Flint Global, em Londres, e pesquisador na Universidade Renmin, em Pequim, e no Hudson Institute, uma unidade de investigação conservadora com sede em Washington.

Artigo atualizado às 11h50 com as declarações de Bruno Maçães

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dpereira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)