Morreu com 83 anos o advogado e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros André Gonçalves Pereira. Vice-presidente da sociedade de advogados Cuatrecasas e professor de Direito — lecionou por exemplo na universidade do Rio de Janeiro, na Universidade Complutense de Madrid e na Universidade Columbia, nos EUA — Gonçalves Pereira integrou dois Governos liderados pelo social-democrata e fundador do PSD Francisco Pinto Balsemão, entre 1981 e 1983.

Considerado discípulo de Marcello Caetano — foi seu aluno e chegou a recusar um convite para ser seu ministro dos Negócios Estrangeiros —, esteve também envolvido na elaboração do Tratado de Amesterdão, em 1997, e em organismos como a UNESCO e o FMI. Além destes cargos, foi ainda administrador não-executivo da Fundação Calouste Gulbenkian.

É autor, com Fausto Quadros, do mais reconhecido Manual de Direito Internacional Público.

Em entrevista ao semanário Expresso, em 2008, André Gonçalves Pereira falava assim da sua relação com Francisco Pinto Balsemão, de quem foi ministro: “É um amigo íntimo de toda a vida e não foi minimamente um patrão. Nem ele se assumia como tal, embora lhe reconhecesse, como é natural, o carácter de primeiro-ministro. Fui, aliás, um dos únicos ministros que não o atraiçoaram”.

Marcelo envia “um último abraço, já com saudade”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, realçou esta segunda-feira a “inteligência e brilho” do antigo Ministro dos Negócios Estrangeiros André Gonçalves Pereira, que morreu no mesmo dia aos 83 anos.

“O Presidente da República apresenta as suas condolências à família do Professor Doutor André Gonçalves Pereira. Jurista de excecionais inteligência e brilho, professor emérito de Direito Internacional Público, causídico de prestígio nacional e internacional”, lê-se numa nota publicada na página da internet da Presidência da República.

André Gonçalves Pereira “foi defensor de um Estado de Direito Democrático”, acrescentou ainda o chefe de Estado. Marcelo Rebelo de Sousa endereçou as condolências à família do antigo ministro e deixou ainda “um último abraço reconhecido, já com saudade”.

Freitas do Amaral: “Um ótimo amigo, um excelente colega”

O fundador do CDS Freitas do Amaral lamentou a morte de André Gonçalves Pereira, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, “considerado um dos melhores Professores da Faculdade de Direito de Lisboa”.

“Tenho muita pena de receber esta notícia porque ele era um ótimo amigo, um excelente colega e considerado um dos melhores professores da Faculdade de Direito de Lisboa”, refere uma nota escrita enviada à Lusa.

Freitas do Amaral coexistiu com André Gonçalves Pereira em governos da Aliança Democrática (AD) nos anos 1980 e apontou ainda: “Mantivemos contacto frequente até recentemente. A minha mulher e eu apresentamos sentidas condolências a toda a família, em especial à sua mulher e ao seu irmão”, adianta a mesma nota.

A Cuatrecasas, sociedade de advogados da qual André Gonçalves Pereira era vice-presidente, destaca em comunicado “a individualidade marcante, não só da advocacia portuguesa e da sua internacionalização, como também da vida académica, política e cultural do nosso país”. Rafael Fontana, presidente da Cuatrecasas, entende que André Gonçalves Pereira era “inteligente e brilhante, foi um extraordinário advogado que soube grangear um enorme prestígio que ultrapassou largamente as fronteiras de Portugal”.

A cerimónia fúnebre de André Gonçalves Pereira tem início esta quarta-feira, pelas 12:00, com celebração de missa de corpo presente, seguindo o funeral para o Crematório do Centro Funerário de Cascais. Antes, estará em câmara ardente a partir das 18:00 desta terça-feira na Igreja da Boa Nova no Estoril, com missa às 19:00.

(Em atualização)