Rádio Observador

PSD

Capucho afirma que não está preocupado com o possível chumbo do regresso ao PSD

Histórico do PSD diz que desconhece o teor da moção no PSD e afirma que não está preocupado. "Vão ter que fundamentar", aponta, no entanto, Capucho, que admite fazer campanha ao lado de Rio.

"Não me incomoda o facto de estarem contra mim", garante António Capucho à Rádio Observador

JOSE SENA GOULAO/LUSA

António Capucho afirma que não tem “pressa” e não está “preocupado” com a moção da Concelhia de Cascais contra a sua readmissão no PSD. “Não me incomoda o facto de estarem contra mim, porque [tendo em conta] as pessoas que lá estão era expectável que tomassem essa posição”, admitiu o histórico militante social-democrata esta terça-feira à Rádio Observador. 

Capucho revela, no entanto, que não sabe o que consta na moção e garante que esta ainda não lhe foi entregue: “A Concelhia de Cascais deve pronunciar-se a invocar um dos fundamentos que estão previstos no regulamento de admissão de militantes, coisa que ignoro se tenciona fazer. Ignoro qual o teor da moção, já me disseram que me iam enviá-la em quatro ou cinco dias e ainda não enviaram”. E, quando o boletim de inscrição que o ex-militante do PSD entregou na sede nacional chegar a Cascais, afirma, “a comissão política tem de se pronunciar” e explicar por que razão não o quer readmitir: “Aí, de facto, se (a Concelhia) mantiver a posição, como é de esperar, tem que fundamentar”. Por enquanto, o político limita-se “a esperar”, diz.

À Rádio Observador, António Capucho destaca o papel que desempenhou no PSD e os “três mandatos consecutivos na Câmara de Cascais sempre com maioria absoluta”. Ainda assim, o social-democrata diz que podia ter escolhido outra área para representar: “Podia ter ido para qualquer outra secção. Não sou obrigado a ir para a secção onde resido (mas) entendi que devia entregar a minha inscrição em Cascais”.

O ex-presidente da Câmara de Cascais tinha sido expulso do partido em 2014, na sequência do seu apoio à lista adversária dos sociais-democratas à Câmara de Sintra em 2013, liderada por Marco Almeida, outro militante do partido que se afastou da direção nos tempos em que era liderada por Pedro Passos Coelho.

Capucho relembrou esta terça-feira o que o fez afastar-se do Partido Socialista: “O PS desiludiu-me em várias áreas. A primeira foi o facto de não ter avisado os eleitores que depois das eleições iria assinar acordos com partidos da esquerda ou da esquerda radical”, sublinha. “Ao fazê-lo, pôs na gaveta a razão fundamental do meu apoio ao PS: era um programa eleitoral social-democrata com reformas estruturais verdadeiramente notáveis”, lamenta o antigo militante. Para além disto, acrescenta, o partido “entrou num caminho de nepotismo interno extremamente preocupante”, defende.

Capucho reforça, ainda, que decidiu voltar ao PSD porque se identifica com Rui Rio, pessoa de quem é “amigo e admirador” e com o qual trabalhou — o social-democrata já tinha afirmado ao Observador que Rio podia contar com ele para tudo. Questionado ainda sobre a possibilidade de participar na campanha, não deixa dúvidas: “Disponibilizei-me para participar. Se entenderem que a minha presença é útil, estarei lá com muito gosto”. 

Ouça aqui na íntegra as declarações do antigo presidente da Câmara de Cascais à Rádio Observador:

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro
291

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Política

Ser Direita /premium

João Merino

Recusamos uma sociedade onde cada desejo, cada capricho se converte em direito, onde ninguém assume responsabilidades, até o Estado, e onde uns poucos se esforçam para pagar os direitos de muitos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)