Rádio Observador

Ciência

Estudo científico alerta: se fizer exercício não bocheche (com elixir bucal)

120

É uma das vantagens do exercício físico: mantém a pressão arterial baixa durante horas. A menos que se bocheche com elixir bucal a seguir, alerta um estudo científico publicado no Reino Unido.

AFP/Getty Images

Chama-se hipotensão pós-exercício e é amplamente reconhecida como uma das vantagens do esforço físico, podendo manter-se durante minutos ou até horas: depois de uma corrida, de uma aula de zumba ou de uma sessão de lunges, squats e planks, o corpo não queima apenas calorias extra, também fica com a pressão arterial mais baixa.

Foi na tentativa de perceber por que motivos isso acontece que uma equipa de investigadores da Universidade de Plymouth, no Reino Unido, em colaboração com o Centro de Regulação Genómica de Barcelona, descobriu que basta bochechar com elixir bucal a seguir ao exercício para esta vantagem ir diretamente pelo ralo.

Tudo por causa da influência que as bactérias presentes na boca têm no complexo mecanismo molecular que possibilita essa baixa tensão arterial. Confuso? Os responsáveis pelo estudo, publicado na edição de novembro do jornal Free Radical Biology and Medicine, explicam.

“Os cientistas já sabiam que os vasos sanguíneos dilatam durante o exercício, à medida que a produção de óxido nítrico aumenta o diâmetro dos vasos (a que chamamos vasodilatação), aumentando o fluxo de sangue em circulação para ativar os músculos. O que permanecia um mistério era o motivo por que a circulação de sangue se mantinha elevada após o exercício, dando origem a um processo de baixa de pressão conhecido como hipotensão pós-exercício”, contextualizou Raúl Bescós, especialista em fisiologia e dietética e o principal autor do estudo, no comunicado enviado à imprensa.

“Está tudo relacionado com o processo de degradação do óxido nítrico num composto chamado nitrato, que durante anos se acreditou que não exercia qualquer tipo de função no corpo. A investigação desenvolvida durante a última década demonstrou contudo que o nitrato pode ser absorvido pelas glândulas salivares e excretado juntamente com a saliva através da boca. Algumas espécies de bactérias orais conseguem converter o nitrato em nitrito — uma molécula muito importante capaz de aumentar a produção de óxido nítrico no corpo.

Quando o nitrito existente na saliva é engolido, parte desta molécula é rapidamente reabsorvida pela circulação e transformada novamente em óxido nítrico. Isto ajuda a manter o alargamento dos vasos sanguíneos o que, por sua vez, mantém a pressão sanguínea baixa após o exercício”, continuou a explicar o investigador.

“Queríamos perceber se o bloqueio da capacidade do nitrato se converter em nitrito através da inibição das bactérias orais teria algum efeito sobre a hipotensão pós-exercício”, nota.

E é aqui que entra o elixir bucal: para testar a teoria, os investigadores pediram a 23 adultos saudáveis que corressem durante meia hora na passadeira, depois, dividiram o grupo em dois e distribuíram copos — uns com líquido colutório (o elixil bucal), outros com um placebo de sabor a mentol. Os participantes bochecharam com os líquidos um minuto depois de acabarem de correr e repetiram 30, 60 e 90 minutos mais tarde.

A medição das respetivas tensões arteriais, aliada à análise das amostras de sangue e de saliva recolhidas, revelou entre o grupo que bochechou com o líquido anti-bacteriano uma perda de 60% das vantagens da hipotensão pós-exercício logo na primeira hora — e de 100% ao fim de duas horas. O que levou a equipa a concluir que exercício e elixir bucal não devem, de todo, combinar. “De facto, é como se as bactérias orais fossem a «chave» para abrir os vasos sanguíneos. Se forem removidos, o nitrito não poderá ser produzido e os vasos permanecerão no seu estado atual”, simplificou Craig Cutler, outro dos investigadores, no texto enviado às redações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt
Alterações Climáticas

A lei do EROI /premium

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)