Rádio Observador

Alterações Climáticas

Canadá quer expulsar residentes de zonas propensas a inundações

Furacões, tempestades, inundações, as alterações climáticas têm desalojado milhares. No Canadá, a população é obrigada a abandonar as habitações. Nos EUA, continua-se a construir em zonas de risco.

A província do Quebec foi a mais afetada pelas inundações de abril

AFP/Getty Images

Enquanto nos Estados Unidos os desalojados que habitavam as zonas costeiras afetadas pelo furacão Dorian preparam-se para reconstruir as suas casas, no Canadá tem-se experimentado uma abordagem diferente. Num país que também sofre com este tipo de catástrofes em vez de reconstruir em zonas que podem voltar a ser engolidas por inundações, por exemplo, recomenda-se e apoia-se os moradores para que mudem de casa para outros locais, noticia o The New York Times.

Ao contrário dos EUA, que procura apoiar as reconstruções no mesmo local, o Canadá limitou os apoios a este tipo de desastre, forçando as pessoas a abandonar as suas casas. Esta decisão tem gerado diferentes reações, por um lado há quem se sinta aliviado, por outro há quem não consiga deixar de sentir uma grande perda. “Os canadianos estão a começar a reconsiderar se é sensato construir perto de zonas propensas a inundações”, disse ao The New York Times Jason Thistlethwaite, um professor de ambiente e gestão empresarial na Universidade de Waterloo, em Ontario (Canadá).

Foi preciso que o governo agisse para obrigar as pessoas a tomarem melhores decisões”, acrescentou.

Uma das cidades atingidas é a cidade ribeirinha de Gatineau que, desde 2017, já sofreu duas grandes inundações. A população residente está, neste momento, à espera de saber a dimensão dos estragos provocados pela última intempérie, em abril. Aqueles que forem notificados para abandonar as habitações serão recompensados com uma ajuda monetária.

David Foster, representante da associação Canadian Home Builders, que apoia a medida do governo canadiano, diz que “é esperado que as autoridades se comportem com maturidade e, por vezes, isso significa adotar a abordagem mais difícil, mas mais sensata”.

O Quebec tem sido a zona do país mais diligente nesta ação de prevenção. Desde 2005, a maior província do Canadá proibiu a construção e reconstrução de casas nas áreas de maior risco de inundação.

Na sua maioria, os residentes estão satisfeitos com esta solução. Se as pessoas deliberadamente reconstruirem em zonas de perigo, a certa altura “terão de ser elas a assumir a responsabilidade dos custos”, explicou ao The New York Times o Ministro da Segurança Pública do Canadá, Ralph Goodale.

Nos Estados Unidos o ritmo crescente de catástrofes como o Dorian tem aumentado o esforço financeiro do governo americano. Ou seja, o custo das reconstruções tem vindo a aumentar. No ano passado, os Estados Unidos registavam 36.774 casas e outros edifícios que tinham sido inundados e depois reconstruídos pelo menos duas vezes. Quase dez mil desses casos verificavam-se na Carolina do Norte, onde em média uma casa já foi inundada cinco vezes.

O Dorian é o terceiro furacão a atingir a Carolina do Norte, em quatro anos. Muitos dos locais inundados pelas tempestades anteriores foram reconstruídos, mas ficaram, novamente, submersos com a mais recente catástrofe.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

A lei do EROI

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
7.281

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)