Rádio Observador

Salários

CGTP reivindica aumento salarial de 90 euros por trabalhador para 2020

Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP, alertou que "se nós não valorizarmos os profissionais que cá temos, a tendência é para que eles possam amanhã sair do país para o estrangeiro".

Em setembro de 2018 e em setembro de 2017 a CGTP reivindicou aumentos salariais de 4%

Tiago Petinga/LUSA

A CGTP reivindicou esta quarta-feira aumentos salariais de 90 euros por trabalhador para o próximo ano, como forma de melhorar as condições de vida dos trabalhadores, dinamizar a economia interna e valorizar as competências profissionais dos portugueses.

O referencial salarial é uma das prioridades da política reivindicativa da Intersindical para 2020, aprovada pelo Conselho Nacional na primeira reunião após o período de férias. Esta é a primeira vez que a Inter apresenta um referencial salarial nominal, sem um referencial percentual.

Em setembro de 2018 e em setembro de 2017 a CGTP reivindicou aumentos salariais de 4% e um aumento mínimo de 40 euros por trabalhador.

Em entrevista à Rádio Observador, o secretário-geral da CGTP Arménio Carlos disse que a medida é “indissociada do quadro económico e dos rendimentos a que os trabalhadores neste momento se encontram”, já que “o peso dos ordenados e dos salários no Produto Interno Bruto [PIB] em 2017 não atingia os 35%, quando, em 2001, estava perto dos 39%”, comprovando que “ao longo dos anos os trabalhadores foram perdendo capacidade aquisitiva e também perdendo espaço ao que respeita ao PIB”.

“Se queremos que a economia cresça mais, temos de melhorar a condição de vida dos trabalhadores, porque não há nenhum país que se desenvolva se não apostar na força do trabalho e particularmente nas qualificações e competências que estes trabalhadores têm”, enfatizou Carlos.

Relembrando que a salário mínimo nacional é atualmente de 600 euros, o secretário-geral declarou que “em termos líquidos, [os trabalhadores] levam ao fim do mês cerca de 520 ou 530 euros. Hoje, com os preços da habitação e encargos que têm com os familiares (…) estamos a falar de salários muito baixos”.

“É interessante que até agora, em véspera de eleições, até temos políticos da direita a dizer como é que se consegue viver com 600 euros, mas quando chega a altura de apresentarem propostas para melhorar o salário dos trabalhadores aí já levantam objeções”, criticou Carlos.

“É evidente que estamos diante de um problema que tem de ser resolvido, e na nossa opinião [CGTP] há três componentes que são fundamentais: a primeira é o aumento geral do salário com os 90 euros de base de atualização para todos os trabalhadores; a segunda é a necessidade de valorizar profissões”, adicionando que “se nós não valorizarmos os profissionais que cá temos, a tendência é para que eles possam amanhã sair do país para o estrangeiro”.

Por fim, estabeleceu a terceira componente com mais uma proposta, a da “atualização do salário mínimo nacional a curto prazo para os 850 euros. Se avançarmos neste processo em simultâneo com o forte combate à precariedade, então nós estamos a dar também contributos importantes, nomeadamente para o aumento da demografia e da natalidade, e também de sustentabilidade futura do país em respeito ao seu desenvolvimento, progresso e justiça social”, concluiu.

Arménio Carlos defende que as empresas têm condições para pagar este aumento salarial e recorda que os aumentos do salário mínimo introduzidos nesta legislatura não provocaram uma subida do desemprego, como argumentavam os críticos da medida, nem o fecho de empresas. O que aconteceu, considera, é que o aumento do rendimento foi favorável para a economia e para as empresas, para além de ter um efeito positivo nas contribuições para a Segurança Social.

Em conferência de imprensa, o secretário-geral  anunciou também um conjunto de iniciativas para contestar as alterações à legislação laboral que entram em vigor no dia 1 de outubro, precisamente a data de aniversário da CGTP o que Arménio Carlos qualificou quase como uma “provocação”. E um dos apelos que deixa aos trabalhadores é o de que nas próximas eleições legislativas não votem nos partidos que viabilizaram estas alterações que a CGTP considera serem lesivas para os rendimentos dos trabalhadores.

O voto, sublinhou, é uma das formas de lutar contra as alterações à lei laboral que foram promovidas pelo Governo do PS, mas apoiadas pelos partidos à direita e também pela UGT. Arménio Carlos defendeu ainda que os portugueses não devem dar uma maioria absoluta ao PS porque as maiorias absolutas aprovaram medidas negativas para os trabalhadores.

A luta contra as alterações à lei do trabalho passa ainda pelo pedido de fiscalização sucessiva do diploma no Tribunal Constitucional. Este pedido tem de ser feito pelos deputados, mas a CGTP vai promover um encontro com vários académicos em setembro com o objetivo de mostrar como várias das medidas aprovadas são inconstitucionais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)