Rádio Observador

Relações Internacionais

China protesta contra reunião de ativista de Hong Kong com diplomacia alemã

Governo chinês declarou ao embaixador alemão em Pequim o descontentamento por o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha ter reunido com um ativista pró-democracia de Hong Kong.

Hong Kong, uma ex-colónia britânica devolvida à China em 1997, tem sido palco de manifestações de ativistas

CLEMENS BILAN/EPA

O governo chinês mandou chamar o embaixador alemão em Pequim para lhe transmitir o descontentamento por o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha ter reunido com um ativista pró-democracia de Hong Kong, disse hoje o embaixador chinês na Alemanha.

O governo chinês não gostou de saber que o chefe da diplomacia alemã, Heiko Maas, reunira em Berlim, segunda-feira, com o ativista Joshua Wong, que está a procurar apoio internacional para o movimento pró-democracia, que se tem manifestado nos últimos meses nas ruas de Hong Kong.

Este incidente terá um impacto muito negativo nas relações bilaterais” entre a China e a Alemanha, disse o embaixador chinês em Berlim, Wu Ken, para explicar as razões da convocação, pelo seu governo, do embaixador alemão em Pequim. “Exprimimos a nossa grande deceção (…) e protestamos veementemente contra este incidente”, esclareceu Wu Ken, durante uma conferência de imprensa, em Berlim.

Joshua Wong, de 22 anos, está a fazer uma digressão internacional, que incluiu uma visita a Berlim, onde se encontrou com vários políticos, antes de partir para os Estados Unidos.

O ativista colocou uma foto nas redes sociais ilustrando a sua conversa com o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, na segunda-feira, durante uma festa organizada pelo jornal diário Bild, esclarecendo que discutiu com ele a questão das manifestações e a “luta por eleições livres e justas” em Hong Kong.

O episódio provocou a ira de Pequim, que considerou inaceitável que “alguns media e políticos alemães tentem aumentar a sua visibilidade usando ativistas anti-China”.

Hong Kong, uma ex-colónia britânica devolvida à China em 1997, tem sido palco de manifestações de ativistas que protestam contra o governo local, reivindicando mais democracia e autonomia para a região.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)