Rádio Observador

Macau

Líder eleito de Macau quer novas indústrias e integração na Grande Baía

O chefe do executivo eleito de Macau, Ho Iat Seng, prometeu apostar na diversificação da economia e integrar o território semiautónomo no projeto regional Grande Baía.

Carmo Correia/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O chefe do executivo eleito de Macau, Ho Iat Seng, prometeu apostar na diversificação da economia e integrar o território semiautónomo no projeto regional Grande Baía, numa entrevista difundida esta quarta-feira pela agência noticiosa oficial Xinhua.

Ho considerou que o desenvolvimento da indústria tecnológica, para fornecer o mercado do continente chinês, é uma “tarefa fundamental” para o seu executivo. Citado pela Xinhua, o chefe do executivo eleito considerou que Macau deve fazer “pleno uso dos seus recursos universitários e transformá-los em indústrias de produtos de alta tecnologia”, incluindo redes de telecomunicações de quinta geração (5G).

Macau tem uma economia altamente dependente do jogo. Em 2018, os impostos diretos — 35% das receitas brutas — sobre o jogo representaram 79,6% da totalidade das receitas públicas de Macau, segundo dados oficiais das autoridades do território.

Ho Iat Seng ocupou anteriormente os cargos de vice-presidente da Associação Comercial de Macau e presidente vitalício da Associação Industrial de Macau, pelo que tem um “profundo entendimento da economia de Macau”, escreve a Xinhua. Ele admitiu, no entanto, que não será fácil cultivar novas indústrias em Macau, onde os casinos garantem salários altos.

E lembrou que a região semiautónoma enfrenta a concorrência das emergentes economias do sudeste da Ásia, e que não possui condições para desenvolver indústrias que exijam muita mão-de-obra.

O governo terá que pensar “cuidadosamente” sobre que indústrias deve desenvolver no futuro, disse, apontando, como exemplo, a produção de medicamentos genéricos. “Macau poderá usar as suas ligações à União Europeia para atrair equipamento e talentos mundiais para fabrico de medicamentos genéricos e depois vendê-los ao enorme mercado do continente chinês”, notou.

Citado pela Xinhua, Ho Iat Seng disse ainda que Macau deve preparar-se para fortalecer a cooperação com outras cidades da Área da Grande Baía. Lançado pelo Presidente chinês, Xi Jinping, o projeto da Grande Baía visa construir uma metrópole mundial a partir de Hong Kong e Macau, e nove cidades da província de Guangdong, através da criação de um mercado único e da crescente conectividade entre as vias rodoviárias, ferroviárias e marítimas.

“Muitas pessoas em Macau têm a ideia errada de que Macau não faz parte da Grande Baía. As pessoas de Macau têm de ir ao continente para participar no desenvolvimento da Grande Baía”, disse. Ho considerou que a posição da região especial administrativa naquele projeto é “muito clara”.

“A história de mais de 400 anos de intercâmbio cultural em Macau entre a China e o Ocidente deixou muitas heranças preciosas, como o primeiro farol e a primeira universidade do Extremo Oriente”, descreveu. “Essa é a posição única de Macau”, apontou.

Ho reiterou ainda a importância do património cultural em Macau, incluindo a construção ou cozinha. “É mais fácil fazer uma cópia nova do que manter o original, mas essa não é a História”, afirmou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)