Rádio Observador

Venezuela

Mais de 150 mil militares venezuelanos participam em exercícios militares na fronteira com Colômbia

Mais de 150 mil militares das Forças Armadas Venezuelanas (FAV) iniciaram na terça-feira os exercícios militares "Venezuela, soberania e paz 2019", determinados por Nicolás Maduro.

Os exercícios começaram um dia depois de Maduro acusar a Colômbia de tentar recrutar militares venezuelanos para atacar o sistema de defesa do país

JOHNNY PARRA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de 150 mil militares das Forças Armadas Venezuelanas (FAV) iniciaram na terça-feira os exercícios militares “Venezuela, soberania e paz 2019”, determinados pelo Presidente do país, Nicolás Maduro, nas proximidades da fronteira com a Colômbia.

Os exercícios começaram na pista do Aeroporto de La Fria, no Estado venezuelano de Táchira (sudoeste do país, fronteiriço com a Colômbia), por onde desfilaram também viaturas blindadas com mísseis e militares.

“As FAV são uma forma de manutenção da paz. Nós respeitamos as forças armadas de todo o planeta, mas não temos medo de ninguém”, disse o chefe do Comando Estratégico Operacional, Remígio Ceballos, ao iniciar os exercícios.

Segundo Ceballos, as FAV “consagram o direito soberano dos venezuelanos a serem livres e independentes”, e, por isso, estão dispersas “para defender palmo a palmo o sagrado território” venezuelano.

“A ideia é manter intacta a soberania nacional perante qualquer pretensão do Governo da Colômbia de derrubar o nosso Governo”, adiantou.

Antes de começarem os exercícios, Nicolás Maduro anunciou, através da rede social Twitter, que juntos, militares e civis, implementam os sistemas de defesa para garantir a paz e a tranquilidade do povo venezuelano.

Os exercícios começaram um dia depois de Nicolás Maduro acusar a Colômbia de tentar recrutar militares venezuelanos para atacar o sistema de defesa do país.

Nos últimos três meses têm tentado, a partir dos organismos de ‘inteligência’ (serviços secretos) do Governo colombiano, recrutar oficiais venezuelanos para afetar o nosso sistema de radares, de defesa antiaérea e o sistema de mísseis”, disse Maduro.

Nicolás Maduro voltou a insistir que a Colômbia pretende levar a cabo “um conflito armado, uma guerra entre os dois países” e apelou aos países da América Latina e Caraíbas para que intercedam a favor da paz entre os dois estados.

Sobre os exercícios militares que vão decorrer até 28 de setembro, nas regiões fronteiriças com a Colômbia, explicou que “é hora de defender a soberania nacional, de afinar todos os mecanismos de implantação da capacidade de defesa” do país.

Em 05 de setembro, o chefe de Estado venezuelano anunciou que iria introduzir um sistema de mísseis para defesa antiaérea nas regiões fronteiriças com a vizinha Colômbia, país que acusa de estar a preparar-se para ir ao Conselho de Segurança da ONU “e armar um ‘show’ político às custas de um conflito armado”.

O anúncio teve lugar depois de a oposição anunciar que vai colaborar com as autoridades da Colômbia para localizar eventuais grupos guerrilheiros e paramilitares que Bogotá diz estarem na Venezuela.

Depois de mais de um ano de paradeiro desconhecido, o antigo número dois das FARC e principal negociador do acordo de paz de 2016, Iván Márquez, reapareceu a 29 de agosto último, num vídeo, com outros ex-líderes do grupo, anunciando o regresso às armas.

Para a oposição, os exercícios militares e as acusações do Governo venezuelano contra a vizinha Colômbia procurarm “distrair” as atenções da grave situação interna.

“É a clássica estratégia do inimigo externo, do inimigo interno, do inimigo anterior. Antes culpavam a Quarta (República, governo anterior ao chavismo), os vendedores ambulantes, a guerra económica e agora a culpa é de um país irmão”, disse o líder opositor e presidente do parlamento, Juan Guaidó.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)