Rádio Observador

Brasil

Ministro da Defesa do Brasil diz que cortes nas Forças Armadas obrigam a adequação de planos

O ministro da Defesa do Brasil disse, em Lisboa, que os cortes no orçamento do próximo ano implicam uma adequação do planeamento estratégico, incluindo as despesas das forças armadas.

O ministro da Defesa do Brasil, general Fernando Azevedo e Silva, esteve esta quarta-feira em Lisboa

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O ministro da Defesa do Brasil, general Fernando Azevedo e Silva, admitiu esta quarta-feira, em Lisboa, que os cortes no orçamento previstos para o próximo ano implicam uma adequação do planeamento estratégico, incluindo ao nível das despesas das forças armadas.

Tivemos um contingenciamento este ano. Esperamos e temos a certeza de que parte dele será ainda descontigenciado”, disse Fernando Azevedo e Silva que se encontra em visita a Portugal e teve um encontro com o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, no Forte de São Julião da Barra, em Oeiras.

Em abril, o ministro da Defesa do Brasil anunciou que o governo brasileiro bloqueou 5,8 mil milhões de reais (1,3 mil milhões de euros) do orçamento do Ministério da Defesa, valor que representa 44% do orçamento para despesas não obrigatórias da pasta, segundo a imprensa local.

“Tal bloqueio, no momento, não impõe necessidade de mudanças na operacionalidade do Ministério da Defesa. A pasta trabalha com a expectativa de recuperação da economia e reequilíbrio do orçamento brevemente”, informou na altura em comunicado a assessoria do ministério, citada pela agência Brasil.

Esta quarta-feira, o general Fernando Azevedo e Silva disse, em relação ao projeto de lei do orçamento para o próximo ano, que o mesmo deverá ser reduzido, mas assegurou que está a ser procurada uma solução, com “o apoio do Ministério da Economia e do próprio Presidente Bolsonaro”. “Se mantiver estes patamares previstos inicialmente para o próximo ano temos de adequar o planejamento estratégico e mesmo em relação aos nossos custeios”, adiantou.

O encontro desta quarta-feira entre os ministros da Defesa de Portugal e do Brasil é o terceiro desde que os governantes assumiram funções e, segundo João Gomes Cravinho, demonstram as boas relações entre os dois países.

A reunião acontece depois da assinatura, a 22 de agosto, de um “acordo histórico” entre Portugal e o Brasil para a aquisição, pelo Ministério da Defesa de Portugal à brasileira Embraer, de cinco aeronaves militares KC-390 à brasileira Embraer, por 827 milhões de euros. O ministro brasileiro disse que, na altura, não pode estar presente, mas que assim que lhe foi possível agendou a passagem para Portugal para assinalar o assunto.

Outro tema abordado foi a possibilidade dos dois países participarem em missões internacionais. A este propósito, João Gomes Cravinho recordou que os dois Estados já têm experiência nesta área, nomeadamente “a integração de militares brasileiros na missão de formação do Exército da República Centro Africana”. “Essa primeira experiência creio que nos dará lições interessantes como repetir, desenvolver e alargar para outros planos”, prosseguiu.

Confrontado sobre a questão da Amazónia, o ministro da Defesa brasileiro sublinhou que, em dez anos, o contingente das Forças Armadas passou de 20 mil para 45 mil. Esta presença, afirmou, garante a soberania nessa região que “foi um legado dos portugueses”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)