Rádio Observador

Guiné-Bissau

ONU pede segurança e inclusão nas eleições presidenciais da Guiné-Bissau

O Conselho de Segurança da ONU declarou que as eleições presidenciais na Guiné-Bissau deverão ser o fim de um ciclo político instável e devem garantir segurança e inclusão.

Membros do Conselho de Segurança destacaram que a Guiné-Bissau é o primeiro Governo "inclusivo" e "equilibrado" da África Ocidental

Ana Freitas/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) declarou que as eleições presidenciais na Guiné-Bissau deverão ser o fim de um ciclo político instável e devem garantir segurança e inclusão.

Numa reunião na terça-feira, membros do Conselho de Segurança destacaram que a Guiné-Bissau é o primeiro Governo “inclusivo” e “equilibrado” da África Ocidental, devido às oito ministras e três secretárias de Estado que fazem 35% dos membros do executivo.

A ONU indicou também que as eleições presidenciais, em novembro, são mais uma oportunidade para demonstrar uma “liderança inclusiva”.

A secretária-geral assistente para África do Departamento de Operações de Paz, Bintou Keita, considerou que a comunidade internacional deve dar apoio financeiro e “contribuição instrumental” para a realização das eleições presidenciais de 24 de novembro e, se necessário, para a segunda ronda, em 29 de dezembro, para pôr fim ao “ciclo político de instabilidade” que dura desde 2015.

Bintou Keita disse que o processo eleitoral tem desafios, entre os quais o registo dos eleitores que não tiveram oportunidade de votar nas eleições legislativas, realizadas em março, que rondou os 25 mil.

A responsável do Departamento de Operações de Paz da ONU sublinhou que o país tem de cumprir a data estabelecida para o ato eleitoral e deve aprimorar medidas de transparência e o desenvolvimento de uma estratégia para as eleições, no sentido de responder à “desconfiança generalizada” na política guineense.

O representante permanente da Guiné-Bissau junto da ONU, Fernando Delfim da Silva, declarou que o Governo está comprometido com a realização de eleições credíveis e transparentes, e lembrou que o cenário político atual está afetado pela maior apreensão de droga da história do país, em 02 de setembro, de 1,8 toneladas de cocaína.

Segundo o diplomata, as eleições presidenciais serão uma oportunidade para o povo guineense “renovar a legitimidade” das instituições do país.

A quantia de droga apreendida no início do mês demonstra a dimensão de como o país é “atrativo” para os traficantes, devido à fragilidade das instituições e “vulnerabilidade geográfica”, afirmou Fernando Delfim da Silva, considerando que os vizinhos africanos lidam com os mesmos problemas do crime organizado e tráfico de droga.

O representante plenipotenciário junto da ONU manifestou a necessidade de reforço da cooperação com as Nações Unidas no combate ao tráfico de droga, um dos maiores problemas do país, com uma parceria entre Governo e o Gabinete das Nações Unidas sobre Drogas e Crime.

Fernando Delfim da Silva pediu ao Conselho de Segurança que se encontrem formas de aumentar a capacidade das instituições nacionais, que operam em condições “extremamente precárias”.

O Conselho de Segurança advertiu que a dificuldade será gerir o período pós-eleitoral, quando serão necessárias reformas constitucionais, e apelou para que as “tendências” dos atores políticos de pôr em causa o resultado das eleições sejam dissipadas.

Os Estados-membros com assento no Conselho de Segurança expressaram profunda preocupação pelo elevado número e grau de gravidade de crimes relacionados com as drogas, assim como pela possibilidade de estas atividades criminosas serem utilizadas para financiamento de atividades terroristas

Por fim, a ONU destacou a determinação da polícia guineense e das forças de segurança em neutralizar o problema das drogas, e disse que o controlo da segurança e estabilidade deve ser assegurado também pelo Grupo P5 — ONU, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), União Africana, União Europeia e Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

O Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS) promete ter um papel importante na realização das eleições presidenciais.

O atual mandato da UNIOGBIS é até 28 de fevereiro do próximo ano, mas requer-se uma diminuição gradual das atividades até ao seu encerramento, previsto para 31 de dezembro de 2020.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)