Rádio Observador

Nações Unidas

Colômbia aberta ao diálogo com a Venezuela proposto pela ONU, mas apenas com Guaidó

O Presidente da Colômbia assegurou que o seu governo só irá dialogar com o líder do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, em resposta à ONU, que apelou ao diálogo para aliviar a tensão entre países.

Uma dúzia de países americanos convocou, na quarta-feira, os ministros dos Negócios Estrangeiros dos Estados que integram o TIAR para uma reunião na segunda quinzena deste mês, onde será discutida a crise na Venezuela

ERNESTO GUZMAN/EPA

O Presidente da Colômbia, Iván Duque, assegurou na quarta-feira que o seu governo só irá dialogar com o líder do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, em resposta à ONU, que apelou ao diálogo para aliviar a tensão entre os dois países.

“Somos defensores da democracia e dos valores democráticos e reconhecemos Juan Guaidó como o presidente legítimo da Venezuela”, afirmou Duque, acrescentando que a Colômbia “nunca atacou a Venezuela”. Segundo Iván Duque, o governo colombiano, à semelhança de “muitos outros países”, não tem feito mais do que denunciar “a ditadura” de Nicolás Maduro.

Na quarta-feira, o secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou a um diálogo que ajude a aliviar as tensões entre os países vizinhos, especialmente após o início das manobras militares venezuelanas na região fronteiriça. “Estamos a par dos exercícios militares. Esperamos que, através do diálogo, os dois países possam encontrar uma maneira de aliviar as tensões existentes”, disse Guterres, através do seu porta-voz, Stéphane Dujarric.

Na semana passada, Maduro declarou um “alerta laranja” sobre os 2.219 quilómetros de fronteira que a Venezuela partilha com a Colômbia e ordenou exercícios militares. Iván Duque lembrou ainda que o chefe da diplomacia colombiana, Carlos Holmes Trujillo, denunciou ao Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) que o governo venezuelano tem vínculos com grupos armados ilegais.

A Colômbia não vai parar de denunciar o que está a acontecer. Esta ditadura está a patrocinar grupos terroristas no seu território para atacar a Colômbia, como é o caso do ELN [Exército de Libertação Nacional]”, disse.

O governante instou as Nações Unidas, “dadas as provas existentes”, a cumprirem a resolução 1373, adotada pelo Conselho de Segurança em 12 de novembro de 2001 e na qual se declarou que os atos de terrorismo internacional constituem uma das mais graves ameaças à paz e à segurança no mundo.

Duque também elogiou o primeiro passo dado na ativação do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), argumentando que a crise na Venezuela representa “uma clara ameaça à paz e à segurança” na região.

Uma dúzia de países americanos convocou, na quarta-feira, os ministros dos Negócios Estrangeiros dos Estados que integram o TIAR para uma reunião na segunda quinzena deste mês, onde será discutida a crise na Venezuela.

A decisão foi tomada no conselho permanente da OEA e contou com a aprovação de 12 dos 19 países signatários do acordo – Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, El Salvador, Estados Unidos, Guatemala, Haiti, Honduras, Paraguai, República Dominicana e Venezuela. Por sua vez, Costa Rica, Panamá, Peru, Uruguai, Trinidad e Tobago abstiveram-se, enquanto Cuba e as Bahamas não estiveram presentes no encontro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)