Rádio Observador

Timor-Leste

Ex-presidente indonésio Habibie “foi fundamental” para a história de Timor-Leste

Jusuf Habibie, que morreu na quarta-feira, foi "parte fundamental" da história de Timor-Leste ao permitir a realização do referendo que levou à independência do país, lembra o governo timorense.

Habibie nasceu na cidade de Parepare, na ilha de Celebes, e foi o terceiro presidente desde a independência da Indonésia (1945)

LUKAS COCH/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O governo timorense considerou esta quinta-feira que o ex-Presidente da Indonésia Bacharuddin Jusuf Habibie, que morreu na quarta-feira, foi uma “parte fundamental” da história de Timor-Leste ao permitir a realização do referendo que levou à independência do país.

Numa nota de pesar, aprovada numa reunião extraordinária do Conselho de Ministros, o executivo timorense elogia a “muito distinta capacidade diplomática” de Habibie e recorda que o ex-Presidente indonésio enviou um pedido ao secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, em 27 de janeiro de 1999, permitindo a realização de um referendo em Timor-Leste, “através do qual se viabilizou o exercício do direito de autodeterminação do povo timorense que, por larga maioria, decidiu pela independência” do país.

Na nota, o governo timorense manifesta “grande pesar” pela morte de Habibie e apresenta as suas “sentidas condolências” à família do ex-chefe de Estado, “associando-se à sua dor”, num momento de “grande consternação para o povo da Indonésia”. Segundo o comunicado do Conselho de Ministros, o voto de pesar será entregue à família de Habibie pelo ex-Presidente timorense Xanana Gusmão.

Habibie morreu na quarta-feira aos 83 anos num hospital de Jacarta, onde tinha sido internado no início do mês com problemas cardíacos. O antigo Presidente foi escolhido para liderar a Indonésia depois da queda do regime do ditador militar Suharto (1967-1998), inaugurando uma série de reformas que conduziram o país à democracia.

Ficou ainda conhecido internacionalmente por ter permitido um referendo que escolheu por larga maioria a independência de Timor-Leste, em 1999, num sufrágio livre e democrático, apesar de a decisão da retirada das tropas indonésias ter conduzido a antiga colónia portuguesa, nesse mesmo ano, a uma crise política e social, na antecâmara de se proclamar um Estado independente.

Habibie nasceu na cidade de Parepare, na ilha de Celebes, e foi o terceiro presidente desde a independência da Indonésia (1945), substituindo Suharto e promovendo reformas sociais, políticas e económicas que abriram o caminho para a recuperação após a crise financeira asiática de 1997.

Engenheiro aeronáutico com mais de 40 patentes registadas, emigrou para a Alemanha aos 19 anos, onde 10 anos depois completou um doutoramento em engenharia e trabalhou para a empresa aeroespacial alemã Messerschmitt-Bolkow-Blohm (MBB), que fazia parte do consórcio da Airbus.

A carreira política de Habibie começou em 1974, como consultor de Suharto, amigo de família desde a década de 1950, tendo em 1978 renunciado ao seu emprego na Alemanha e aceitado o cargo de ministro da Tecnologia e Investigação, lançando vários projetos para aumentar a capacidade tecnológica da Indonésia.

Em 1990, quando Suharto começou a abrandar a sua política repressiva e a aproximar-se do Islão, fundou a Associação Indonésia de Muçulmanos Intelectuais, num país onde 88% dos 265 milhões de habitantes eram muçulmanos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)