Rádio Observador

Cinema

“O Pintassilgo”: o rapaz e o segredo do quadro desaparecido

228

Este filme de John Crowley é uma arriscada adaptação do longo, denso e atarefadíssimo "best-seller" de Donna Tartt, e só perde o norte no último ato. Eurico de Barros dá-lhe três estrelas, à justa.

Nicole Kidman e Ansel Elgort numa cena do ambicioso e complexo "O Pintassilgo", de John Crowley

Autor
  • Eurico de Barros

Carel Pietersz Fabritius, foi um pintor holandês do século XVII, aluno de Rembrandt e sobre o qual os especialistas dizem que poderia ter sido tão brilhante como o seu mestre, se não tivesse morrido aos 32 anos, em 1654, na explosão do paiol da cidade de Delft, que arrasou também o seu estúdio e destruiu a maior parte dos seus quadros. Uma das obras que não foram destruídas é uma pequena pintura, “O Pintassilgo”, que representa uma destas aves, pousada no comedouro a que está presa por uma fina corrente. O quadro faz hoje parte da coleção permanente do Museu Mauritshuis, na Haia.

[Veja um filmezinho sobre o pintor e o quadro:]

Mas para as necessidades de “O Pintassilgo”, o filme de John Crowley (“Brooklyn”), baseado no romance homónimo de Donna Tartt (The Goldfinch, no original), vencedor do Prémio Pulitzer de Ficção, o quadro encontra-se no Met de Nova Iorque, e é fundamental à história, e para a vida da personagem principal, o jovem Theodore Decker ((Oakes Fegley na adolescência, Ansel Elgort quando adulto). Este, quando era criança, estava naquele museu com a mãe, quando se deu um atentado terrorista que a matou. No caos que se seguiu à tragédia, e sem perceber bem porquê,  o atordoado Theodore agarrou no pequeno e valiosíssimo quadro de Fabritius, meteu-o numa mochila e levou-o consigo, passando a ser o seu segredo Após o atentado, e como o seu pai, um ex-ator alcoólico, saiu de casa, o rapaz é acolhido pela família rica de um colega de escola.

[Veja o “trailer” de “O Pintassilgo”:]

A obra, publicada em 2013, tem quase 800 páginas e foi um “best-seller”, recebendo críticas muito boas, ganhando prémios importantes e sendo eleito pelo “The New York Times” como um dos melhores livros do ano. É um romance de grande fôlego narrativo e leitura exigente, complexo na estrutura e na efabulação romanesca, e cerradamente urdido, o que o torna problemático para levar ao cinema. E por isso “O Pintassilgo” é um filme que fica isolado nessa cada vez maior “terra de ninguém” do cinema americano que é o espaço entre as produções elefantinas de super-heróis e as modestas fitas independentes. O território do filme comercial de qualidade e prestígio, a que outrora os estúdios de Hollywood prestavam atenção e hoje quase abandonaram.

[Veja uma entrevista com Oakes Fegley e Ansel Elgort:]

O enredo de “O Pintassilgo” é de tal forma elaborado, e a história de Theodore tão movimentada, atarefada e rica de peripécias, acasos, coincidências e pormenores, e tão variada de personagens (não é por acaso que Donna Tartt é considerada por alguma crítica como a herdeira de Charles Dickens, qualificação que a escritora não desdenha), que tentar descrevê-la minimamente implica fazer “spoilers” e estragar o filme ao possível espectador da fita. Digamos que “O Pintassilgo” é, em traços largos, sobre a forma como Theodore, com as suas qualidades e fraquezas, tenta saber quem é, onde pertence e se encaixa, e sobre a difusa mas profunda importância que o quadro de Fabritius tem para ele e como, mesmo sem o rapaz dar por isso, influencia a sua existência, a sua vida interior e a relação com o passado e com os outros.

[Veja o realizador e o elenco no Festival de Toronto:]

“O Pintassilgo” revela-se assim, coisa cada vez mais rara, um filme “de argumento” (foi escrito por Peter Straughan, autor, entre outros, de “A Toupeira”), cuja poder narrativo, dramático e emocional, e a capacidade de nos envolvermos na saga de Theodore sem nos cansarmos dele e nos desinteressarmos dela, assenta na história, e depois nos actores (e aqui, estão todos à altura do que se lhes pede, incluindo Nicole Kidman na reservada mas bondosa Sra. Barbour). A realização de John Crowley é cuidadosa, muito arrumada, discreta e elegante, sabe para onde está a ir e como e para onde leva Theodore, embora no seu último e fundamental ato, aquele em que tudo se explica e resolve, a fita se precipite e perca a coerência, a consistência e a verosimilhança que apresentava até aí.

[Veja uma entrevista com a autora do livro, Donna Tartt:]

No final de duas horas e meia de filme (o livro, pela sua extensão, complexidade e densidade, estava mesmo a pedir ser transformado numa série de televisão), “O Pintassilgo” deixa a impressão de não ser nem um sucesso total, nem um fracasso chapado. É como um ciclista que foi sempre à frente na corrida e furou nos derradeiros metros do percurso. Ou como um quadro bonito, ambicioso na escala, delicado e trabalhoso, que ficou mal acabado nas últimas pinceladas. Mas que nem por isso deixa de ter o seu fascínio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)