Rádio Observador

Cinema

Três filmes para ver esta semana

"Amazing Grace", o filme da gravação ao vivo do álbum de Aretha Franklin, um filme-catástrofe norueguês, e "O Piintassilgo", de John Crowley, são as escolhas desta semana de Eurico de Barros.

Aretha Franklin a cantar em 1972, no agora "ressuscitado" filme do histórico álbum "Amazing Grace"

Autor
  • Eurico de Barros

“Amazing Grace”

Em 1972, Sydney Pollack foi contratado para filmar a gravação ao vivo, numa igreja de Los Angeles, de “Amazing Grace”, o álbum “gospel” de Aretha Franklin. Mas Pollack não tinha experiência deste tipo de espectáculos e foi impossível sincronizar posteriormente o som com as imagens. O álbum tornou-se num colossal sucesso, as imagens foram para o arquivo da Warner Bros. Em 2007, o produtor Alan Elliott obteve autorização de Pollack para as trabalhar e montar, o que conseguiu usando tecnologias digitais.

“Amazing Grace” ficou pronto em 2011, mas Aretha Franklin impediu a sua exibição pública, o que só aconteceu após a morte da cantora, em 2018. Quase meio século depois, eis o filme de “Amazing Grace”, com Aretha Franklin em todo o seu inigualável esplendor vocal ao serviço do Todo-Poderoso, num ambiente meio de serviço religioso, meio de concerto. Entre o público podem ser vistos, fugazmente, John Lennon, Mick Jagger e Charlie Watts.

“O Terramoto”

Este filme-catástrofe norueguês sobre um tremor de terra que atinge Oslo, sucede a “Bolgen: Alerta Tsunami”, e é uma competente apropriação europeia de um subgénero cinematográfico que associamos geralmente a Hollywood. Os argumentistas e os atores de “O Terramoto” são os mesmos de “Bolgen: Alerta Tsunami” e só mudou o realizador (agora é John Andreas Andersen). Kristoffer Joner volta a interpretar o geólogo Kristian Eikjord, que se põe a investigar o acidente que matou, num túnel, um colega seu, e descobre que Oslo está ameaçada por um grande terramoto. Esta versão de bolso dos descomunais filmes-catástrofe americanos cumpre com todas a convenções esperadas, mas numa escala mais realista e mais humana do que aqueles (compare-se, por exemplo, com o recente e absurdamente desmesurado “San Andreas”), e quando o terramoto chega, não lhes fica a dever nada em termos da qualidade dos efeitos especiais e de impacto.

“O Pintassilgo”

Este filme de John Crowley (“Brooklyn”) baseia-se no romance homónimo de Donna Tartt, vencedor do Prémio Pulitzer de Ficção, que foi buscar o título a um quadro do pintor holandês do século XVII Carel Pietersz Fabritius. É a história de Theodore Decker (Oakes Fegley na adolescência, Ansel Elgort quando adulto), que, em criança, estava no Met de Nova Iorque com a mãe, quando se deu um atentado terrorista à bomba que a matou, bem como a muitos outros visitantes. No caos que se seguiu à tragédia, e sem perceber bem porquê,  o atordoado Theodore agarrou no pequeno e valiosíssimo quadro de Fabritius, meteu-o numa mochila e levou-o consigo, transformando-o no seu segredo. Após o atentado, e como o pai, um ex-ator alcoólico, deixou a mulher e o filho, Theodore é acolhido pela família rica de um colega de escola. “O Pintassilgo” foi escolhido como filme da semana pelo Observador, e pode ler a crítica aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)