A presidente do CDS, Assunção Cristas, defendeu esta sexta-feira que se deve repensar o modelo de reutilização de manuais escolares pelos alunos dos dois primeiros anos do primeiro ciclo.

Assunção Cristas admitiu que seja revisto ou repensado este modelo, apesar de o CDS ser favorável à reutilização dos manuais nos anos mais avançados, face às queixas e dificuldades apontadas por pais e professores de reutilizar livros já usados e que foram apagados.

Os manuais “não estarão todos em condições de serem usados por meninos pequeninos, que os tem que utilizar, fazer exercícios no próprio manual, riscar, apagar, voltar a fazer. Isso não é compatível com manuais que já tenham sido utilizados”, afirmou no final de uma visita à escola de Alapraia, no Estoril, concelho de Cascais (Lisboa).

É um sistema, afirmou, que “não tem uma adequação” aos primeiros do primeiro ciclo “tem que ser revisto”.

Defendendo que as alternativas têm que ser ponderadas, e sem se comprometer com opções finais, Cristas admitiu que os alunos do 1.º e 2.º anos ou poderiam ficar com os manuais ou alterava-se o modelo, com a possibilidade de o livro não ser riscado e todos os exercícios serem feitos em cadernos.