Um incêndio que se iniciou nesta quinta-feira no hospital particular Badim, na zona do Maracanã, no Rio de Janeiro, fez 11 mortos e obrigou à transferência, para outros hospitais sete hospitais da região, de 90 pessoas que estavam internadas, avançou o portal de notícias brasileiro G1, depois de os Bombeiros terem encerrado as buscas.

Entre os mortos, duas mulheres já foram identificadas, uma com 84 e outra com 88 anos. Segundo o Hospital Badim, não há informação de mortos entre os 224 funcionários que trabalhavam no local quando as chamam iniciaram-se.

A hipótese de crime foi descartada pelas autoridades, existindo suspeitas de que um curto circuito num dos geradores do complexo possa ter originado o fogo, que espalhou fumo por vários andares do local.

O alerta para o fogo foi dado às 18h30 locais (22h30, em Portugal), que entrou em fase de resolução depois de duas horas de combate às chamas, cerca das 00h45 locais (4h45, em Portugal).

Médicos, enfermeiros, trabalhadores do complexo, bombeiros e moradores organizaram no passeio e numa creche da rua São Francisco Xavier uma espécie de hospital a céu aberto, com colchões e lençóis no chão para não interromperem os tratamentos das mais de 100 pessoas internadas que tiveram de sair do prédio.

Artigo atualizado às 14h01 com a atualização dos números de mortos e transferidos