Durante a apresentação do ID.3, no Salão de Frankfurt, a que já aqui fizemos referência, os responsáveis revelaram que o hatchback eléctrico vai estar disponível com três capacidades distintas de acumuladores (45, 58 e 77 kWh) e um motor eléctrico colocado no eixo traseiro com 204 cv. Isto apesar de estar previsto que outros modelos construídos sobre a mesma plataforma MEB, como o Volkswagen ID.4, o Cupra Tavascan e o Audi Q4 e-tron, venham a montar um segundo motor eléctrico à frente, para incrementar a potência, mas sobretudo para ter os benefícios da tracção à quatro rodas.

Com base neste potencial da plataforma MEB, impunha-se questionar a marca se não iria surgir um ID.3 com dois motores e mais potência – 300 a 400 cv –, que fosse capaz de se assumir como um ID.3 GTI, ou até um ID.3 R. Muito provavelmente o “R”, exactamente a denominação que a Volkswagen anda a promover com o ID.R de competição, com que anda por esse mundo fora a bater recordes.

A resposta surgiu através de Jürgen Stackmann, o responsável pelas Vendas do fabricante alemão. “Há futuro para uma versão R no nosso carro eléctrico, mas não será já no próximo ano, pois temos ainda de definir até onde pode ir um ID.3 R”, confirmou o executivo.

Frank Welsch, o responsável pela Investigação e Desenvolvimento da marca alemã, foi mais longe e garantiu que “um desportivo compacto com base no ID.3, para repetir o sucesso conquistado com o Golf GTI em 1974, é uma das prioridades da empresa”. E Welsch continuou, revelando que “não faz sentido ser GTI, pois esta é uma denominação muito colada a modelos a gasolina, mas R é uma possibilidade”. Contudo, recordou, “é bom ter presente que com 204 cv, o ID.3 já é mais rápido de 0-100 km/h do que o Golf GTI, apesar de este manter uma boa vantagem a velocidades mais elevadas”.