O Prémio Revelação de reconhecimento e apoio a “talentos emergentes no panorama teatral” vai ser atribuído pela primeira vez em 2020, anunciou este sábado o Teatro Nacional D. Maria II e o seu patrocinador, no arranque da temporada.

“O prémio, no valor de 5.000 euros, será atribuído a um profissional de teatro, que tenha até 30 anos de idade (completados até 31 de dezembro de 2019), e cujo trabalho artístico se tenha destacado no ano de 2019”, lê-se no comunicado conjunto do Teatro Nacional D. Maria II (TNDM) e do grupo segurador Ageas.

O vencedor da primeira edição será eleito por “um júri composto por 15 representantes do meio artístico e cultural português”, e anunciado no próximo Dia Mundial do Teatro, 27 de março de 2020.

O júri da primeira edição é constituído por profissionais do setor, como os atores, coreógrafos, dramaturgos, encenadores e figurinistas Albano Jerónimo, Álvaro Correia, Beatriz Batarda, Carlos Avilez, Catarina Barros, Cristina Carvalhal, Inês Barahona, John Romão, José António Tenente, Marta Carreiras, Mónica Garnel, Nuno Cardoso, Pedro Gil, Rui Horta e Rui Pina Coelho.

“É de extrema importância a criação de um prémio anual, atribuído por um júri de pares, que dá expressão ao modo como a comunidade teatral portuguesa valoriza os jovens criadores”, disse o diretor artístico do TNDM, Tiago Rodrigues, citado pelo comunicado hoje divulgado.

A atribuição do prémio decorre no âmbito da parceria estabelecida entre o TNDM e o grupo Ageas em maio passado, que veio “garantir o financiamento necessário para reforçar a circulação de espetáculos pelo país” e “fortalecer o serviço público de cultura” do teatro nacional, como foi então reconhecido pelos seus responsáveis.

“Entre os projetos contemplados por esta parceria estão a Rede Eunice Ageas e o Prémio Revelação Ageas Teatro Nacional D. Maria II”, recorda-se no comunicado.

A Rede Eunice, que toma o nome da atriz Eunice Muñoz, permite a difusão de espetáculos produzidos e coproduzidos pelo TNDM, e está aberta a candidaturas de diferentes municípios do país que queiram aumentar a oferta teatral.

O Prémio Revelação visa o reconhecimento da “qualidade da prestação artística” dos candidatos, durante o ano a que se refere o prémio, o seu contributo para a área teatral, a capacidade de crescimento e valorização da sua carreira, a nível nacional e internacional, e de inovação ou diferenciação da sua prática profissional.

O anúncio do prémio foi feito no primeiro dia de “Entrada Livre” no TNDM, em Lisboa, iniciativa de arranque da temporada 2019/2020, com as estreias de “Antígona”, de Mónica Garnel, e de “Coleção de Artistas”, de Raquel André.

“Antígona”, de Sófocles, vai estar em cena na Sala Garrett até 06 de outubro.

“Coleção de Artistas”, de Raquel André, terceiro movimento da sua “Coleção de Pessoas”, fica até 20 de setembro, na Sala Estúdio.

Este é o quinto ano consecutivo em que o TNDM começa a temporada com a iniciativa “Entrada Livre”, com “portas abertas ao público” para cerca de duas dezenas de atividades e espetáculos gratuitos.

Neste âmbito, apresentam-se ainda “Pur Présent”, do encenador francês e atual diretor do Festival d’Avignon, Olivier Py, “História da Loucura na Época Clássica de Foucault”, dirigido pela artista espanhola Angélica Liddell, e “A Caminhada dos Elefantes”, um espetáculo para famílias, da dupla Inês Barahona e Miguel Fragata.

Os espetáculos são acessíveis mediante levantamento de entradas na bilheteira do teatro, com exceção de “A Caminhada dos Elefantes”, que carece de reserva.

Durante este fim de semana, serão ainda apresentados três livros e feitas cinco leituras encenadas. Está também patente a exposição “José Marques: fotógrafo em cena”.

Hoje à noite, a cantora e compositora moçambicana Selma Uamusse sobe à varanda do TNDM, no Largo de São Domingos, para um concerto.

MAG/AL // PNG

Lusa/Fim