Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) é uma “peça chave no sistema global de saúde”, e como tal, deve estar “para além de divergências doutrinárias, ideológicas e partidárias”.

Numa nota enviada à comunicação social em que assinala os 40 anos do SNS, o Presidente da República recorda o papel que teve enquanto deputado à Assembleia Constituinte na votação da Constituição, pós 25 de Abril, e que abriu o “caminho decisivo a essa conquista”.

Para Marcelo, o Serviço Nacional de Saúde “representa uma das inegáveis conquistas do 25 de Abril de 1974 e da democracia portuguesa”, e apela a uma constante aposta em objetivos, orgânicas e meios de atuação. Nesta nota, Marcelo Rebelo de Sousa sublinha ainda que o SNS é um “denominador” e que, tal como “quanto a outras relevantes matérias de regime, o que une os Portugueses é muito mais do que aquilo que os divide.” O Presidente conclui assim que “o princípio e o fim do Serviço Nacional de Saúde são os Portugueses”.