A polícia anti-distúrbios de Hong Kong disparou este domingo canhões de água e lançou gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes na zona onde se encontra a sede do Governo em Hong Kong, foi anunciado. A intervenção da polícia ocorreu depois de uma hora de atos violentos de vários grupos de manifestantes, que atiraram tijolos, ‘cocktails molotov’ e ovos à polícia.

Dezenas de milhares de pessoas desafiaram hoje a proibição da polícia de sair à rua para se manifestarem em Hong Kong e participaram numa marcha não autorizada, que começou em Causeway Bay, para comemorar o Dia Internacional da Democracia.

Pequenos grupos de pessoas, que utilizavam a roupa negra característica do movimento anti-governamental, fizeram barricadas com contentores do lixo contra a polícia, que se colocou em zonas sensíveis como as estações do metro.

Num comunicado, a Polícia de Hong Kong advertiu os manifestantes para conterem “atos ilegais” para abandonarem as ruas imediatamente porque atos violentos “representam uma grave ameaça para a segurança pública nas proximidades”.

A ideia de realizar uma manifestação hoje foi da Frente de Direitos Humanos Civis, um grupo pró-democrático que esteve por trás de três manifestações realizadas entre junho e agosto, que tiveram uma participação de mais de um milhão de pessoas em cada uma.