Um quarto de todos os pássaros dos Estados Unidos desapareceram desde 1970, segundo uma pesquisa publicada esta quinta-feira na revista Science, que dá conta de uma perda de biodiversidade contabilizada em 30% da população total de aves nos EUA.

Segundo um relatório das Nações Unidas, desde o mesmo ano, 60% dos vertebrados (aves, peixes, mamíferos, anfíbios) já desapareceram em cada uma das comunidades animais, representando a maior perda constatada em mais de 10 milhões de anos.

Os cientistas do Laboratório de Ornitologia de Cornell, em colaboração com o Instituto Geológico dos EUA, estabeleceram que os três mil milhões que desapareceram nos últimos 50 anos fazem parte de uma amostra de 529 espécies de pássaros. Adrian Dokter, um dos co-autores do estudo, revelou que “é chocante”, especialmente pela velocidade da mudança: “acontece no período da vida de um humano”.

Além disto, o estudo concluiu em conjunto com dados de radares que as migrações noturnas, período em que a maioria das aves percorrem longas distâncias, caíram em 14% na última década. Uma surpresa, entretanto, foi constatada nos tipos dos pássaros que desapareciam. Os pardais, melros, cotovias, estorninhos e tentilhões foram os que mais apresentaram quedas, e ainda assim são os mais comuns para os norte-americanos — 12 famílias de espécies acumulam o alarmante nível de 90% do total de perdas.

Os motivos para os desaparecimentos não fizeram parte do estudo, contudo os cientistas acreditam que a perda de habitat e o desenvolvimento das grandes cidades são os maiores responsáveis. Além dos gatos, que, surpreendentemente, comem mais de 2,6 mil milhões de pássaros todos os anos.

O números recém-revelados são preocupantes, segundo os pesquisadores, já que os pássaros exercem importantes funções no meio ambiente, entre elas estão comer insetos, espalhar sementes, e, claro, ser também comida para outros animais. Mais importante ainda é o impacto das aves na agricultura, já que eles são controladores naturais de pestes simplesmente por serem a sua alimentação básica.

Nem tudo são más notícias, entretanto. As aves de rapina, por outro lado, aumentaram em quantidade, muito provavelmente devido às políticas de preservação, concluiu o estudo. A espécie representante dos EUA, as águias carecas, estavam à beira de extinção, e agora apresentam crescimento positivo.

Os pesquisadores criaram o 3billionbirds.org com a intenção de fornecer à população informações de prevenção de morte das aves. Entre as sugestões estão manter os gatos dentro das casas, instalar estores nas janelas — já que evita a confusão dos pássaros com prédios espelhados –, e também evitar pesticidas.