Um homem norte-americano de 44 anos, Jason Muzzicato, foi detido pelo FBI por, alegadamente, utilizar um drone DJI Phantom 3 — um dispositivo voador por controlo remoto — para lançar bombas contra a casa da ex-namorada. O caso aconteceu em Washington Township, no estado da Pensilvânia, nos EUA, como avançou o jornal local Lehigh Valley.

Jason, que trabalha na indústria automóvel, foi detido após buscas na sua casa a 7 de junho, quando as autoridades encontraram 10 armas — várias pistolas semi-automáticas e uma metralhadora AR-15. Muzzicato não tinha autorização para ter as armas porque tinha sido acusado, em 2017, de violência doméstica.

Apenas agora, em setembro, é que os procuradores acusaram o homem. Além de poder vir a responder pelo crime de posse ilegal de arma e por ter lançado vários explosivos, também foi acusado por pilotar o drone da DJI ilicitamente, pois este não estava registado no departamento federal da aviação dos EUA.

Muzzicato diz que é inocente. Contudo, ficará sob custódia das autoridades até ao julgamento. O procurador dos EUA William McSwain afirma: “Não é preciso muita imaginação para perceber o enorme mal que pode ser feito ao combinar armas ilegais, explosivos, e drones”.

O uso do drone para lançar explosivos terá sido feito desde março. Pessoas que viviam perto da casa da ex-namorada de Jason afirmam que, por vezes, enquanto andavam na rua ouviam uma explosão “que vinha do ar”. Ao todo, a polícia local recebeu mais de oito queixas por explosões na área que ainda não conseguiu atribuir a Muzzicato, embora seja essa a suspeita.

Jason pode ter de cumprir mais de 30 anos de cadeia por estes crimes. O julgamento, que inicialmente seria em agosto, foi adiado para 23 de setembro. Segundo o mesmo jornal, a acusação e a defesa de Muzzicato podem chegar a um acordo sobre a pena a cumprir.