A polícia e os manifestantes pró-democracia entraram este sábado em breves confrontos, em Hong Kong, perto da fronteira chinesa, por ocasião do décimo sexto fim de semana de protestos na ex-colónia britânica.

A polícia recorreu a gás lacrimogéneo e a canhões de água contra os grupos radicais que ergueram barricadas e atiraram pedras e ‘cocktails molotov’, na cidade de Tuen Mun, localizada no nordeste de Hong Kong, noticia a Agência France-Presse (AFP).

Numerosos manifestantes foram presos durante os confrontos, menos violentos que nos fins de semana anteriores.

Segundo a AFP, centenas de manifestantes ergueram barricadas, desmontaram barreiras de segurança e também atiraram objetos nas ferrovias mais próximas.

O dia começou com uma manifestação pacífica na cidade de Tuen Mun, antes de começarem os confrontos, um cenário agora comum.

Ao início da noite de hoje em Hong Kong, os manifestantes continuavam a jogar ‘ao gato e ao rato’ nas ruas, segundo a AFP.

O território semi-autónomo atravessa, desde junho, a mais grave crise política desde o retorno para a soberania chinesa, em 1997, com ações e manifestações quase diárias a exigir reformas democráticas ou a denunciar uma resposta da polícia considerada brutal pelos manifestantes.

Os planos de protestos ou greves nas próximas semanas são abundantes na Internet, à medida que se aproximam duas datas de aniversários importantes: 28 de setembro, a assinalar os cinco anos do início do Movimento Guarda-chuva, de 2014, e 01 de outubro, pelo 70.º aniversário da fundação da República da China.