O Zoe e-Sport EV nasceu como um exercício e um teste. Um exercício para os técnicos da Renault, para ver até que ponto era possível construir um eléctrico pequeno, mas extremamente rápido e eficaz, e um teste para medir a reacção do público. Apesar de se destinar a medir a reacção do público e a provar que um veículo a bateria podia ser emocionante e sexy, o e-Sport EV nunca visou passar à produção em série, mas isso pode estar em vias de mudar.

A possibilidade de desenvolver uma versão de série é avançada por Gilles Normand, o responsável pelos veículos eléctricos da marca francesa, que confessou à Top Gear que, afinal, pode fazer sentido financeiramente comercializar um modelo como o e-Sport EV, um super mini com quase meio milhar de cavalos.

Normand admite que com a actual geração de baterias, que a Renault adquire à LG Chem, não faz muito sentido, pois a densidade energética é ainda baixa e o pack teria de ser muito pesado para garantir ao modelo uma autonomia interessante, especialmente num ritmo de condução mais agressivo. Mas com as novas baterias em que a Renault está a trabalhar, um pequeno veículo potente e divertido de conduzir pode fazer todo o sentido.

O que fez mudar a opinião dos franceses sobre o projecto foi, curiosamente, as reacções do público. Segundo Normand, há cada vez mais clientes a contactar a marca, questionando-a sobre a possibilidade de virem a produzir um mini desportivo eléctrico e a afirmar que, caso avance, querem um exemplar.

Se o futuro promete eléctricos cada vez mais baratos, em breve chegará a ocasião de começar a propor versões mais “puxadas”, e também mais caras, para permitir margens de lucro mais interessantes. De recordar que o e-Sport EV com 460 cv, era capaz de ir de 0 a 100 km/h em 3,2 segundos.