Esta semana, Xavi deu uma entrevista onde falou sobre o momento do Barcelona, o falhanço na contratação de Neymar por parte dos catalães, a ida de João Félix para o Atl. Madrid por 120 milhões de euros e ainda a derrota do Real Madrid perante o PSG, na primeira jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões. Os merengues perderam por 3-0 em Paris, começaram com o pé esquerdo a liga milionária e os textos sobre a crise do Real, o mau momento do Real, a vaticinada eliminação do Real da Champions, multiplicaram-se. Mas Xavi, que nesta altura está a treinar o Al-Sadd, garantia que não é possível deixar o Real Madrid de fora das contas depois de apenas um resultado negativo. “Eles têm mil vidas”, dizia o antigo jogador do Barcelona.

Este domingo, depois dessa derrota com o PSG e já após os deslizes tanto do Barcelona como do Atl. Madrid — os primeiros perderam com o Granada, os segundos empataram sem golos com o Celta de Vigo –, a equipa de Zidane sabia que uma vitória no terreno do Sevilha não só significava uma injeção de energia fulcral como também a subida à liderança da liga espanhola, a par do Athl. Bilbao. O treinador francês voltou a colocar de início o quarteto Benzema, Bale, Hazard e James Rodríguez, com o reforço Mendy a ser titular na esquerda da defesa.

Contra o Sevilha de Lopetegui, que tinha Daniel Carriço a titular no eixo da defesa e o ex-Real Reguilón na posição de lateral direito, os merengues colocaram-se em vantagem já na segunda parte, por intermédio de Benzema, que leva agora nove golos marcados de cabeça desde o início da temporada, mais do que qualquer outro jogador na Europa. Em 90 minutos contra o conjunto de Lopetegui, o Real Madrid não permitiu qualquer remate à baliza, algo que não acontecia desde agosto de 2016, e garantiu os três pontos que dão direito à liderança da liga espanhola.

“Duvidaram de nós e fizemos 90 minutos de grande nível, num terreno difícil e complicado diante de um rival que começou muito bem a época. É uma satisfação tremenda e tenho que dar os meus parabéns a todos os jogadores”, disse Zidane no final da partida, em referência às críticas dirigidas à equipa depois da derrota a meio da semana. O treinador garantiu ainda que o Real Madrid fez o melhor jogo desde que Zidane voltou ao clube, em março, e acrescentou que a equipa tem de jogar sempre assim, “com alta intensidade e a querer ganhar desde o início”. Na mesma semana em que caiu com estrondo em Paris e foi retirado das contas da Liga dos Campeões quando ainda faltam cinco jogos para acabar a fase de grupos, o Real Madrid aproveitou as escorregadelas dos principais rivais, venceu num terreno difícil e subiu à liderança da Liga. Afinal, Xavi é que tinha razão.