“Que idade tinhas quando descobriste que o Pateta era uma vaca?” E assim se lança a internet na confusão. O même começou a dar voltas nas redes sociais, primeiro em inglês e, agora, em espanhol, como o El Español dá conta. Para ajudar, um texto no site Reel Rundown faz o retrato de toda uma conspiração para esconder as verdadeiras origens de Pateta: uma vaca da espécie Aberdeen Angus. O que muitos internautas não repararam, provavelmente porque só leram o título, é que todo o texto é escrito em tom jocoso, e a maioria dos factos apresentados não corresponde à verdade.

A personagem foi criada em 1932, primeiro com o nome de Dippy Dawg — atente-se a como Dawg tem o mesmo som que dog (cão em inglês) —, altura em que não passava de uma personagem muito secundária, conhecida pelo seu riso sonoro. Só sete anos depois, em 1939, Dippy Dawg chega à ribalta: muda de nome para Pateta (Goofy em inglês) e rapidamente se torna um amigo inseparável de Mickey.

E quais são os argumentos para convencer o público de que Pateta é uma vaca? Os dois mais referidos são o seu namoro com Clarabela, uma vaca, e o facto de Pateta passear Pluto, o cão de Mickey, com uma trela. 

OK. Em primeiro lugar, Pateta é um desenho animado. E ao tratar-se de um desenho animado, na verdade, a personagem pode ser tudo aquilo que passar pela cabeça do seu criador, até um estranho cruzamento de uma vaca Aberdeen Angus com um cão labrador. Se for mesmo necessário atribuir-lhe uma espécie animal, não há dúvidas de que é um cão, antropomórfico, mas um cão. Essa é a resposta que encontramos numa rápida consulta aos arquivos da Disney: “O Pateta foi criado como uma personagem humana, em oposição a Pluto, que é um animal de estimação, e por isso anda na vertical e fala.”

A comparação a Pluto deixa claro que ambos serão da mesma espécie, canina e não bovina, se bem que foram criados com objetivos diferentes. Um é uma espécie de pessoa, o outro uma mascote. Apesar disso, a questão é colocada pelos internautas. “É claro que o Pateta é uma vaca. Algum dia viram um cão a passear outro cão? Isso não faria sentido.”

Em oposição, ver uma vaca a passear um cão de trela faria tudo o sentido? Olhem que não…

E o que dizer do namoro de Pateta com Clarabela, a melhor amiga de Minnie, e que é claramente uma vaca antropomórfica? Bom, de novo, as histórias criadas por Walt Disney (1901-1966) passam-se no mundo da ficção onde as relações interespécies são perfeitamente aceitáveis. E se olharmos para o universo Disney percebemos que nunca ninguém tem filhos, o que faz saltar da equação o problema do cruzamento.

Por exemplo, tanto Mickey com Donald têm sobrinhos, mas não lhes são conhecidos irmãos. E há outras bizarrices. Donald usa camisa, mas prefere não vestir calças. O Tio Patinhas dá mergulhos diários em moedas. E Clarabela, a vaca, também namorou com Horácio, o cavalo.

Por que motivo não poderia ter também um romance com um cão?

Outra evidência a favor de Pateta ser um cão é a sua fisionomia. Clarabela tem chifres, porque é uma vaca, Pateta não. E o focinho de Clarabela e Horácio são muito distintos do de Pateta, muito mais comprido e com um nariz saliente, em vez de ter apenas narinas.

No final do dia, há sempre alguém que se lembra de ir beber à fonte. E foi o que fez um utilizador do Twitter que colocou a pergunta numa página oficial da Disney. Pateta é um cão ou uma vaca? “Ficamos contentes por poder resolver este debate. O Pateta é definitivamente um cão”, respondeu a Disney. 

Conversa encerrada.