O ator Billy Porter tornou-se esta madrugada o primeiro gay afro-americano a receber o Emmy de Melhor Ator em série dramática pela Academia de Televisão dos Estados Unidos, na 71.ª edição dos prémios Emmy.

Na mesma categoria feminina, não houve a vitória histórica que se esperava: se Sandra Oh tivesse vencido, seria a primeira atriz de ascendência asiática a levar para casa a estatueta de Melhor Atriz em série dramática.

No entanto, foi Porter quem fez história, ao ser distinguido pelo papel de Pray Tell que interpreta na série do canal FX “Pose”, cuja ação mostra a subcultura da comunidade LGBTQ na Nova Iorque do final dos anos oitenta.

“Tantas pessoas me ajudaram a chegar aqui ao longo do caminho”, notou Billy Porter no discurso de vitória, depois de afirmar que “todos têm o direito” de andar no mundo e sentir que pertencem.

“Nós, como artistas, somos aqueles que mudam a estrutura molecular dos corações e mentes das pessoas que caminham nesta Terra”, afirmou, terminando com um pedido que foi reiterado por outras personalidades ao longo da cerimónia: “por favor, não parem de dizer a verdade”.

Para levar a estatueta para casa, Porter teve de bater concorrentes de peso, incluindo Kit Harington, da favorita “A Guerra dos Tronos”, Jason Bateman, de “Ozark”, Sterling K. Brown, de “This Is Us”, Bob Odenkirk, de “Better Call Saul”, e Milo Ventimiglia, de “This is Us”.

Na categoria de Melhor Atriz em série dramática, Sandra Oh perdeu para a sua co-protagonista em “Killing Eve”, Jodie Comer, que interpreta Villanelle na série da BBC America.

Comer mostrou-se muito surpreendida pela vitória e disse em palco ser sortuda por poder “partilhar toda esta experiência” com Sandra Oh, que no ano passado se tornou na primeira atriz de ascendência asiática nomeada para o Emmy de Melhor Atriz em série dramática.

Para trás na categoria ficaram também a “mãe de dragões” Emilia Clarke, de “A Guerra dos Tronos”, Viola Davis, de “How to Get Away With Murder”, Laura Linney, de “Ozark”, Mandy Moore, de “This Is Us”, e Robin Wright, que não conseguiu o Emmy na última temporada de “House Of Cards”.

Na comédia, foi Phoebe Waller-Bridge quem levou a estatueta para Melhor Atriz na série “Fleabag”, que emergiu como uma das grandes vencedoras da noite.

A atriz repetiu o discurso que tinha feito para o Emmy que recebera minutos antes para Melhor Escrita em série de comédia, dizendo que “representar é muito difícil e doloroso, mas é tudo para isto”.

Bill Hader levou o Emmy de Melhor Ator em série de comédia pela série “Barry” da HBO, que também era uma das favoritas para vencer a categoria de Melhor Série de Comédia mas perdeu para “Fleabag”.

Na categoria de Minissérie ou Filme para Televisão, o Emmy de Melhor Ator foi para o jovem Jharrel Jerome, que interpretou Korey Wise na série da Netflix “When They See Us”. Trata-se da dramatização da história verdadeira de cinco jovens que foram condenados por uma brutal violação no Central Park e exonerados 13 anos depois.

Entre as nomeadas femininas, a vitória de Melhor Atriz em Minissérie ou Filme foi para Michelle Williams e a sua interpretação de Gwen Verdon em “Fosse/Verdon”, do canal FX.

A 71.ª edição dos prémios Emmy decorreu esta madrugada em Los Angeles, Califórnia.